PRECONCEITO CULTURAL E O (RE)CONHECIMENTO DE DIREITOS