EUROPA SIN EUROPEOS: LA RATIFICACIÓN DEL TRATADO DE LISBOA EN UN CONTEXTO DE CRISIS POLÍTICA

Autores

  • Marie-José Garot Fundação Universidade do Vale do Itajaí - Univali
  • José M. de Areilza Carvajal

DOI:

https://doi.org/10.14210/nej.v14n1.p23-30

Resumo

Este artigo discute as soluções propostas para sair da crise política provocada pelo referendo irlandês sobre o Tratado de Lisboa. Além de analisar o processo constitucional que vai desde o Tratado de Nice ao Tratado de Lisboa, através da Constituição Europeia, o artigo centra-se no dilema democrático que subjaz atualmente à integração: as difíceis perguntas sobre como respeitar simultaneamente a maioria e as minorias europeias e como fazer com que os cidadãos europeus sejam cada vez mais protagonistas da construção de uma união política. Conclui-se que o processo de ratificação do Tratado de Lisboa deve promover, e não impedir, uma reflexão permanente sobre a Europa que queremos. Em vez de inventar artificialmente um consenso, deveríamos despertar nos cidadãos o desejo de avalizar o projeto europeu e encontrar mecanismos que os obriguem a assumir suas responsabilidades

Biografia do Autor

Marie-José Garot, Fundação Universidade do Vale do Itajaí - Univali

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica

Downloads

Publicado

2009-08-27

Como Citar

GAROT, M.-J.; CARVAJAL, J. M. de A. EUROPA SIN EUROPEOS: LA RATIFICACIÓN DEL TRATADO DE LISBOA EN UN CONTEXTO DE CRISIS POLÍTICA. Novos Estudos Jurí­dicos, Itajaí­ (SC), v. 14, n. 1, p. 23–30, 2009. DOI: 10.14210/nej.v14n1.p23-30. Disponível em: https://periodicos.univali.br/index.php/nej/article/view/1618. Acesso em: 13 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos