• Resumo

    AS REGIÕES DE VALORAÇÃO ONTOJURÍDICA E OS MAPAS CONCEITUAIS COMO RECURSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO DIREITO PENAL

    Data de publicação: 28/04/2017

    O presente artigo aborda os conceito de Regiões de Valoração Ontojurídica e Referentes de Valoração por meio de mapas conceituais para demonstrar que a articulação entre esses constructos pode configurar-se em recurso de ensino e aprendizagem capaz de tornar mais evidente a análise da conduta típica, suas circunstâncias e sanção correlata, bem como conferir maior visibilidade à integração conceitual do conceito analítico de crime.

  • Referências

    AUSUBEL, David P. The Psychology of Meaningful Verbal Learning. New York: Grune & Stratton, 1963.

    BITENCOURT, Cezar Roberto. Manual de direito penal: parte geral. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2012, vol. 1.

    BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Disponível em: www.legjur.com.

    BRASIL. Código Penal Brasileiro. Decreto-Lei 2.848, de 07/12/1940. Disponível em: www.legjur.com.

    BRASIL. Lei de Execuções Penais. Lei n.º 7.210, de 11/07/1984. Disponível em: www.legjur.com.

    CICUTO, Camila Aparecida Tolentino; MENDES Bárbara Chagas; CORREIA Paulo Rogério Miranda. Nova abordagem para verificar como os alunos articulam diferentes materiais instrucionais utilizando mapas conceituais. São Paulo: Revista Brasileira de Ensino de Física. 2013, - jul./set , vol.3, nº 3. p. 1-8. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: março/2015.

    DURKHEIM, Emile. As Regras do Método sociológico. Trad. Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2004.

    DURKHEIM, Emile. A Divisão do Trabalho Social. Trad. de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes,1999.

    FERREIRA, Paula B.; COHRS, Cibelli R.; DOMENICO, Edvane B. L. Software CMAP TOOLS® para a construção de mapas conceituais: a avaliação dos estudantes de enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP; São Paulo, Vol. 46, nº 4, p. 967-972, Ago/2012. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: janeiro/2015.

    GOMES, Andréia Patrícia; DIAS-COELHO, Udson Chandler; CAVALHEIRO, Priscila de Oliveira; SIQUEIRA-Batista, Rodrigo. O Papel dos Mapas Conceituais na Educação Médica. Rio de Janeiro: Revista Brasileira de Educação Médica; 2011, Abril/Junho, Vol. 35 n.º 2: p. 275-282. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: março/2015.

    MOREIRA, Marco Antônio. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2011.

    MOREIRA, Marco e MASINI, Elcie. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

    NOVAK, Joseph Donald y GOWIN, D. Bob. Aprender a aprender. 2. ed. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1999. Disponível em: www.ir.nmu.org.ua. Acesso em: setembro/2014.

    NOVAK, Joseph Donald. Learning, Creating, and Using Knowledge: Concept Maps as Facilitative Tools in Schools and Corporations. 2. ed. Lawrence Erlbaum Associates, Mahwah, 2010. Disponível em: www.books.google.com.br. Acesso em: novembro/2014.

    ROXIN, Claus. Estudos de Direito Penal. Trad. Luis Greco. Rio de Janeiro: Renovar, 2012.

    ROXIN, Claus. O conceito de bem jurídico como padrão crítico da norma penal posto à prova. Trad. Susana Aires de Sousa. Revista Portuguesa de Ciência Criminal, Coimbra, Ano 23, n.º 1 (janeiro-março 2013). p. 7-43.

    SOUZA, Nadia Aparecida de; Boruchovitch, Evely. Mapas conceituais: estratégia de ensino/ aprendizagem e ferramenta avaliativa. Educação em Revista, Belo Horizonte, vol.26, nº.3, p. 195-217. Dez/2010. Disponível em: www.scielo.br. Acesso em: fevereiro/2015.

    WELZEL, Hans. O novo sistema jurídico-penal: uma introdução à doutrina da ação finalista. 2. ed. Trad. Luiz Regis Prado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

    ZAFFARONI, Eugenio Raúl; BATISTA, Nilo et al. Direito Penal Brasileiro Vol. II -Delito: introdução histórica, ação e tipicidade. Rio de Janeiro: Revan, 2010. p. 82.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal