• Resumo

    O DEBATE HART-DWORKIN E O DILEMAN DE COLEMAN: O QUE A LITERATURA TEM A DIZER SOBRE A RELAÇÃO DIREITO E MORAL?

    Data de publicação: 30/04/2018
    As questões relativas à relação entre o direito e a moral inspiram diversos debates teóricos, os quais influenciam sobremaneira os paradigmas dominantes na teoria do direito. Dentre esses diálogos, merece especial destaque o promovido entre Hart e Dworkin, justamente porque evidencia a concepção do positivismo jurídico de Hart e, consequentemente, a oposição feita por Dworkin, principalmente no que diz respeito à discricionariedade. Cumpre, portanto, realizar o enfrentamento desta temática a partir da narrativa literária da obra “A mancha humana”, de Philip Roth, a fim de perquirir quais as possíveis contribuições que a literatura pode ofertar a partir desse enredo para revisitar o debate entre Hart e Dworkin, especialmente no que diz respeito às relações entre direito e moral e discricionariedade.
  • Referências

    BLAIR, Robert. The grave. New Heaven: Gale Ecco, 2010. CANDIDO, Antonio. A literatura e a formação do homem. São Paulo: Estrutural, 1972. COELHO, Nelly Novaes. Literatura e ensino: uma problemática. 2.ed. São Paulo: Ática, 1992.

    COURA, Alexandre de Castro; AZEVEDO, Silvagner. Indeterminação do direito e discricionariedade judicial: pensando a crise do positivismo jurídico a partir de Kelsen, Hart e Dworkin. COURA, Alexandre de Castro; BUSSINGUER, Elda Coelho de Azevedo (Orgs.). direito, política e constituição: reflexões acerca da tensão entre constitucionalismo e democracia à luz do paradigma do Estado Democrático de Direito. Curitiba: CRV, 2014.

    DWORKIN, Ronald. The philosofy of law. Oxfort: University Press, 1997.

    DWORKIN, Ronald. Levando os direitos a sério. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

    GILCHRIST, Alexandre. Life of William Blake. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

    GOETHE, Johann Wolfgang Von. fausto II: uma tragédia. 4.ed. São Paulo: Editora 34, 2015.

    HART, Hebert L. A. Visita a Kelsen. Lua Nova: Revista de Cultura e Política. São Paulo, 2005.

    HART, Herbert L. A. o conceito de direito. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

    HART, Herbert L. A. Postscriptum. RODRÍGUEZ, César (Org.). La decisión judicial: el debate Hart-Dworkin. Bogotá: Siglo del Hombre, 1997.

    LANES, Ely Vieitez. Laboratório de literatura. São Paulo: Estrutural, 1978.

    MEIRA, Cécil. Introdução ao estudo da literatura. 5.ed. Belém: Imprensa Oficial do Estado, 1988.

    MOISÉS, Massaund. Literatura: mundo e forma. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1990.

    MOREIRA, Nelson Camatta. direitos e garantias fundamentais e os tratados internacionais de direitos humanos. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

    MOREIRA, Nelson Camatta; DE PAULA, Rodrigo. Lima Barreto: subcidadania, negação do estado de direito e constitucionalismo dirigente no Brasil. In: MOREIRA, Nelson Camatta. direito e literatura e os múltiplos horizontes de compreensão pela arte. Ijuí: UNIJUÍ, 2015.

    MOREIRA, Nelson Camatta; SOARES, Paulo Vitor L. Saiter. Um breve ensaio sobre a relação entre direito e moral na jurisdição constitucional brasileira à luz da obra medida por medida, de William Shakespeare. Revista de derechos Humanos y estudios Sociales, v. 15, p. 65- 100, 2016.

    MOREIRA, Nelson Camatta; TOVAR, Leonardo Z. Hermenêutica e decisão Judicial: em busca de respostas adequadas à Constituição. derecho y Cambio Social, v. 40, p. 01-33, 2015.

    OST. François. Contar a lei: as fontes do imaginário jurídico. São Leopoldo: UNISINOS, 2004. PÊPE, Albano Marcos Bastos. O que significa julgar. TRINDADE, André Karam; STRECK, Lenio

    Luiz (Orgs.). os modelos de juiz: ensaios de direito e literatura. São Paulo: Atlas, 2015.

    RODRÍGUEZ, César. La decisión judicial: el debate Hart-Dworkin. Bogotá: Siglo del Hombre, 1997.

    ROTH, Claudia Pierpont. Roth libertado: o escritor e seus livros. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

    ROTH, Philip. A mancha humana. 10. ed. Alfragide: Dom Quixote, 2014.

    ROTH, Philip. Reading myself and others. Nova York: Vintage International, 2010.

    SANCHEZ RUBIO, David. Crítica a una cultura estática y anestesiada de derechos humanos. Por una recuperación por las dimensiones constituyentes de la lucha por los derechos. derechos y Libertades, Madrid: v. 33, 2015.

    STRECK, Lenio Luiz. Hermenêutica Jurídica e(m) Crise: uma exploração hermenêutica da construção do Direito. 10. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

    STRECK, Lenio Luiz. Verdade e consenso: constituição, hermenêutica e teorias discursivas. 4.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal