• Resumo

    DIREITOS ANIMAIS: DO CONFLITO ÉTICO À POSTULAÇÃO DEMOCRÁTICA

    Data de publicação: 26/04/2023

    Contextualização: O artigo gira em torno da necessidade de se pensar racionalmente a consideração moral dos animais como uma necessidade humana que vem crescendo nos últimos anos, contrapondo-se à visão antropocêntrica de mundo.

    Objetivo: O objetivo é analisar o papel do Direito na compatibilização de demandas sociais concernentes aos direitos animais. Posto que o movimento animal é plural, não funcionando como um bloco moral coeso, como relacionar Ética Animal e Direito em um contexto democrático? Propõe-se a separação do artigo em dois capítulos, que correspondem a dois objetivos. (1) Entender e organizar o pensamento do movimento animal em suas correntes éticas e políticas; e (2) analisar a relação dos argumentos com o Direito, a fim de entender como o movimento animal (teórico) está influenciando ou não a esfera jurídica.

    Metodologia: Utilizou-se o método dialético, assim como pesquisa bibliográfica em revistas, periódicos, livros e teses e dissertações, buscando realizar uma análise comparativa e classificativa acerca das teorias existentes sobre o tema.

    Resultados: Ao final foi possível constatar que o movimento animal deve se desenvolver a partir de uma concepção de luta por direitos, que leve em consideração as características inscritas na realidade social e lance mão de mecanismos que possam efetivamente trabalhar em favor do movimento. Ainda, foi possível constatar um potencial de regulação mista, cuja latência encontra-se nas normas produzidas pelas próprias organizações de proteção animal, que se fundamentam nos argumentos éticos e/ou políticos produzidos pelo movimento.

  • Referências

    AZEVEDO, Maria Cândida Simon. Animais em práticas socialmente aceitas: o que as pessoas que participam entendem por maus-tratos? In: SCHEFFER, Gisele Kronhardt. (Coord.). Direito animal e ciências criminais. Porto Alegre: Canal Ciências Criminais, 2018.

    BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 31 mar. 2023.

    BRASIL. Decreto nº 6.899, de 15 de julho de 2009. Dispõe sobre a composição do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal - CONCEA, estabelece as normas para o seu funcionamento e de sua Secretaria-Executiva, cria o Cadastro das Instituições de Uso Científico de Animais - CIUCA, mediante a regulamentação da Lei no 11.794, de 8 de outubro de 2008, que dispõe sobre procedimentos para o uso científico de animais, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6899.htm. Acesso em: 31 mar. 2023.

    BRASIL, Deilton Ribeiro. COSTA, Rafaela Cândida Tavares. O dever de assistência financeira aos animais não humanos, quando reconhecida a conformação familiar multiespécie. Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, v. 17, n. 1, p. 1-21, jan./maio 2022. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/49493/27911. Acesso em: 31 mar. 2023.

    BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm. Acesso em: 31 mar. 2023.

    BRASIL. Lei nº 10.519, de 17 de julho de 2002. Dispõe sobre a promoção e a fiscalização da defesa sanitária animal quando da realização de rodeio e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2002/lei-10519-17-julho-2002-472320-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 31 mar. 2023.

    BRASIL. Lei nº 11.794, de 8 de outubro de 2008. Regulamenta o inciso VII do § 1º do art. 225 da Constituição Federal, estabelecendo procedimentos para o uso científico de animais; revoga a Lei no 6.638, de 8 de maio de 1979; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11794.htm. Acesso em: 31 mar. 2023.

    BRASIL. Lei nº 13.426, de 30 de março de 2017. Dispõe sobre a política de controle da natalidade de cães e gatos e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13426.htm. Acesso em: 31 mar. 2023.

    BRASIL. Lei nº 7.643, de 18 de dezembro de 1987. Proíbe a pesca de cetáceo nas águas jurisdicionais brasileiras, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7643.htm. Acesso em: 31 mar. 2023.

    BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9605.htm. Acesso em: 31 mar. 2023.

    COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito civil. São Paulo: Saraiva, 2003. v. 1.

    DONALDSON, Sue; KYMLICKA, Will. Zoopolis: a political theory of animal rights. New York: Oxford University Press, 2011.

    FRANCIONE, Gary Lawrence. Animals as persons: essays on the abolition of animal exploitation. New York: Columbia University Press, 2008.

    FRANCIONE, Gary Lawrence. Introdução dos direitos animais: seu filho ou o cachorro? Tradutora: Regina Rheda. Campinas: Unicamp, 2013. Originalmente publicado em 2000.

    FRANCIONE, Gary Lawrence. Rain Without Thunder: the ideology of the animal rights movement. Philadelphia: Temple University Press, 1996.

    FRANCIONE, Gary Lawrence. The Abolition of Animal Exploitation. In: FRANCIONE, Gary Lawrence; GARNER, Robert. The animal rights debate: abolition or regulation? New York: Columbia University Press, 2010.

    FRANKLIN, Julian. Animal rights and political theory. In: The Oxford handbook of the history of political philosophy. Oxford: Oxford University Press, 2013. p. 756-767.

    GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro: parte geral - de acordo com a Lei n. 12.874/2013. v. I. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

    GONÇALVES, Marina Weiss. FAZOLLI, Silvio Alexandre. A indústria do agronegócio e as práticas da suinocultura, à luz da força normativa da proteção dos animais não humanos. Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, v. 17, n. 1, p. 1-19, jan./maio 2022. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/51392/27856. Acesso em: 31 mar. 2023.

    HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. 2. rev. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2012. v. 1. Originalmente publicado em 1992.

    HABERMAS, Jürgen. Teoría de la acción cumincativa II: crítica de la razón funcionalista. Madrid: Taurus, 1992.

    HABERMAS, Jürgen. Teoria do agir comunicativo: sobre a crítica da razão funcionalista. Tradução Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: Martins Fontes, 2012. v. 2. Originalmente publicado em 1981.

    HABERMAS, Jürgen. Técnica e ciência como “ideologia”. Tradução Felipe Gonçalves da Silva 1. ed. São Paulo: Unesp, 2014. Originalmente publicado em 1968.

    JOY, Melanie. Porque amamos cachorros, comemos porcos e vestimos vacas: uma introdução ao carnismo, o sistema de crenças que nos faz comer alguns animais e outros não. Tradução Mário Molina. 1. ed. São Paulo: Cultrix, 2014. Originalmente publicado em 2010. p. 23.

    KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Tradução Guido Antônio de Almeida. São Paulo: Discurso e Barcarolla, 2009. Originalmente publicado em 1785.

    LIMA, Yuri Fernandes. Direito animal e a indústria dos ovos de galinhas - crueldade, crime de maus-tratos e a necessidade de uma solução. Curitiba: Juruá, 2020. Ebook.

    LOURENÇO, Daniel Braga. Direito dos animais: fundamentação e novas perspectivas. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris, 2008.

    LOW, Philip. et al. The Cambridge declaration on consciousness. [Cambridge, 2012]. Disponível em: http://fcmconference.org/img/CambridgeDeclarationOnConsciousness.pdf. Acesso em: 31 mar. 2023.

    NOBRE, Marcos. A teoria crítica. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

    NUSSBAUM, Martha C. Fronteiras da justiça: deficiência, nacionalidade, pertencimento à espécie. Tradução de Suzana de Castro. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013. Originalmente publicado em 2006.

    PIMENTA, Paulo Roberto Lyrio. Reforma tributária, imposto ambiental e a tutela dos animais. Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, v. 17, n. 1, p. 1-19, jan./maio 2022. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/49300/27304. Acesso em: 31 mar. 2023.

    REGAN, Tom. Jaulas vazias: encarando o desafio dos direitos animais. Tradução Regina Rheda. Porto Alegre: Lugano, 2006. Originalmente publicado em 2004.

    REGAN, Tom. The case for animal rights. 2nd ed. California: University of California Press, 2004. Originalmente publicado em 1983.

    RODRIGUEZ, José Rodrigo. Direito das lutas: democracia, diversidade, multinormatividade. São Paulo: Liber Ars, 2019.

    RODRIGUEZ, José Rodrigo. Fuga do direito: um estudo sobre o direito contemporâneo a partir de Franz Neumann. São Paulo: Saraiva, 2009.

    RODRIGUEZ, José Rodrigo. Luta por direitos, rebeliões e democracia no Século XXI: algumas tarefas para a pesquisa em Direito. In:

    STRECK, Lenio Luiz; ROCHA, Leonel Severo; ENGELMANN, Wilson (Orgs.). Constituição, sistemas sociais e hermenêutica: anuário do programa de Pós-Graduação em Direito da UNISINOS: mestrado e doutorado. Porto Alegre: Livraria do Advogado; São Leopoldo: UNISINOS, 2014. p. 129.

    ROSA, Angélica Ferreira. COSTALDELLO, Angela Cassia. Os setores público e privado no processo de inovação no transporte de resíduos sólidos: cavalo elétrico como coadjuvante na promoção dos direitos dos animais. Revista Novos Estudos Jurídicos – Eletrônica, Itajaí, v. 24, n. 3, p. 803-829, set.-dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.univali.br/index.php/nej/article/view/15491/pdf. Acesso em: 31 mar. 2023.

    ROSENDO, Daniela. KUHNEN, Tânia Aparecida. Direito à alimentação: direito, consumo, política e ética no Brasil. Revista Novos Estudos Jurídicos – Eletrônica, Itajaí, v. 24, n. 2, p. 562-588, mai.-ago. 2019. Disponível em: https://periodicos.univali.br/index.php/nej/article/view/14964/8545. Acesso em: 31 mar. 2023.

    SANTANA, Heron José de. Abolicionismo animal. 2006. 210 f. Tese (Doutorado em Direito) - Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/4037/1/arquivo6005_1.pdf. Acesso em: 31 mar. 2023.

    SINGER, Peter. Ética prática. Tradução Jefferson Luiz Camargo. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002. Originalmente publicado em 1979.

    SINGER, Peter. Libertação animal. Tradução Marly Winck e Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2010. Originalmente publicado em 1975.

    SINGER, Peter. Practical ethics. 3rd ed. New York: Cambridge University Press, 2011.

    SOCIEDADE VEGETARIANA BRASILEIRA (SVB). O selo vegano. São Paulo, [2019?]. Disponível em: https://www.selovegano.com.br/sobre/. Acesso em: 31 mar. 2023.

    SOUZA, Lavínia de Almeida. THOMASI, Tanize Zago. Filho de quatro patas: pensão alimentícia nos casos de custódia unilateral dos animais domésticos. Revista Brasileira de Direito Animal, Salvador, v. 17, n. 1, p. 1-19, jan./maio 2022. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/RBDA/article/view/33671/27316. Acesso em: 31 mar. 2023.

    SZTYBEL, David. Animal rights law: fundamentalism versus pragmatism. Journal for Critical Animal Studies, v. 5, n. 1, p. 23, 2007. Disponível em: http://www.criticalanimalstudies.org/wp-content/uploads/2012/09/JCAS-Vol-5-Issue-1-2007.pdf. Acesso em: 31 mar. 2023.

    SZTYBEL, David. The rights of animal persons. Journal for Critical Animal Studies, v. 4, n. 1, 2006. Disponível em: http://www.criticalanimalstudies.org/wp-content/uploads/2012/09/JCAS-Vol-4-Issue-1-2006.pdf. Acesso em: 31 mar. 2023.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal