• Resumo

    O TRATAMENTO DIFERENCIADO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO NO DIREITO INTERNACIONAL AMBIENTAL: PERSPECTIVAS A PARTIR DO ACORDO DE PARIS

    Data de publicação: 13/05/2020

    O tratamento diferenciado desafia a igualdade soberana do direito internacional, vista como injusta pelos países em desenvolvimento. O princípio das responsabilidades comuns mas diferenciadas e respectivas capacidades expressa esse tratamento diferenciado no direito internacional ambiental. Objetiva-se analisar a instrumentalização deste princípio no Acordo de Paris da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. A pesquisa vale-se do método dedutivo, uma abordagem estruturalista e materialista-histórica para análise dos textos jurídicos. Deixando para trás a lógica descendente do Protocolo de Quioto, lastreando por compromissos internacionalmente firmados, o Acordo de Paris, sob a alegação de prover diferenciação para todos, opta por um modelo ascendente por meio de contribuições nacionalmente determinadas. O Acordo de Paris deixa de lado os conflitos distributivos do princípio das responsabilidades comuns mas diferenciadas e respectivas capacidades, enfraquecendo a ação política como bloco dos países em desenvolvimento para assegurarem níveis adequados de ambição no enfrentamento das mudanças climáticas.

  • Referências

    BODANSKY, Daniel. The Paris Climate Change Agreement: A New Hope?. The American Journal Of International Law, [s.l.], v. 110, n. 2, p.288-319, 2016. American Society of International Law. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5305/amerjintelaw.110.2.0288.

    CULLET, P. Differential Treatment in Environmental Law: Addressing Critiques and Conceptualizing the Next Steps. Transnational Environmental Law, [s.l.], v. 5, n. 02, p.305-328, out. 2016. Cambridge University Press (CUP). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1017/s204710251600025x.

    CULLET, P. Differential treatment in international law: towards a new paradigm of inter-state relations. European Journal Of International Law, [s.l], v. 10, n. 3, p.549-582, 1 mar. 1999. Oxford University Press (OUP). DOI: 10.1093/ejil/10.3.549.

    FALKNER, Robert. The Paris Agreement and the new logic of international climate politics. International Affairs, [s.l.], v. 92, n. 5, p.1107-1125, 31 ago. 2016. Oxford University Press (OUP). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1111/1468-2346.12708.

    FRENCH, Duncan. Developing States and International Environmental Law: The Importance of Differentiated Responsibilities. International & Comparative Law Quarterly, [s.l], v. 49, n. 01, p.35-60, jan. 2000. Cambridge University Press (CUP). DOI: 10.1017/s0020589300063958.

    HONKONEN, Tuula. The common but differentiated responsibility principle in multilateral environmental agreements: regulatory and policy aspects. Alphen aan den Rijn: Kluwer Law International, 2009.

    KIELY, Ray. The rise and fall of emerging powers: Globalisation, US Power and the Global North-South divide. Londres: Palgrave Macmillian, 2016. (Global Reordering).

    MAGRAW, Daniel Barstow. Legal treatment of developing countries. Colorado Journal of International Environmental Law and Policy, Vol. 1, pp. 69-100, 1990.

    MALJEAN-DUBOIS, Sandrine. The Paris Agreement: A New Step in the Gradual Evolution of Differential Treatment in the Climate Regime?. Review Of European, Comparative & International Environmental Law, [s.l.], v. 25, n. 2, p.151-160, jul. 2016. Wiley-Blackwell. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1111/reel.12162.

    MCGEE, Jeffrey; STEFFEK, Jens. The Copenhagen Turn in Global Climate Governance and the Contentious History of Differentiation. Journal Of Environmental Law, [s.l.], v. 28, n. 1, p.37-63, mar. 2016. Oxford University Press (OUP). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1093/jel/eqw003.

    O’NEIL, K. The Environment and International Relations. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

    PARKS, Bradley C; ROBERTS, J Timmons. Inequality and the global climate regime: breaking the north-south impasse. Cambridge Review Of International Affairs, [s.l.], v. 21, n. 4, p.621-648, dez. 2008. Informa UK Limited. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1080/09557570802452979.

    PAUWELYN, Joost. The End of Differential Treatment for Developing Countries? Lessons from the Trade and Climate Change Regimes. Rev Euro Comp & Int Env Law, [s.l], v. 22, n. 1, p.29-41, abr. 2013. Wiley-Blackwell. DOI: 10.1111/reel.12017.

    RAJAMANI, Lavanya. Ambition and Differentiation In The 2015 Paris Agreement: Interpretative Possibilities And Underlying Politics. International And Comparative Law Quarterly, [s.l.], v. 65, n. 02, p.493-514, 16 mar. 2016. Cambridge University Press (CUP). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1017/s0020589316000130.

    RAJAMANI, Lavanya. Differential Treatment in International Environmental Law. Oxford: Oxford University Press, 2006.

    RAJAMANI, Lavanya; BRUNNÉE, Jutta. The Legality of Downgrading Nationally Determined Contributions under the Paris Agreement: Lessons from the US Disengagement. Journal of Environmental Law, [s.l.], v. 29, n. 3, p.537-551, 3 out. 2017. Oxford University Press (OUP). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1093/jel/eqx024.

    STONE, Christopher D. Common but Differentiated Responsibilities in International Law. The American Journal of International Law, [s.l], v. 98, n. 2, p.276-301, abr. 2004. JSTOR. DOI: 10.2307/3176729.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal