• Resumo

    O FEDERALISMO NA CONSTITUIÇÃO DE 1988 E OS IMPACTOS NA RECEITA DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

    Data de publicação: 30/12/2021

    Contextualização do tema: o presente artigo parte da premissa de que a arrecadação de recursos pelo Estado é necessária para o custeio das atividades públicas e, em seguimento, faz-se um cotejo com as disposições constitucionais a respeito da forma federativa do Estado e da distribuição das competências tributárias realizada pela Carta.

    Objetivos: busca avaliar se o modelo de federalismo concebido pela Constituição de 1988 prejudica os municípios do Rio Grande do Sul acerca da realização de receitas públicas e, consequentemente, quanto à autonomia do ente federativo. 

    Metodologia:Tal análise foi realizada a partir da revisão bibliográfica e documental, utilizando o método indutivo.

    Resultados: ao final, apresentam-se dados extraídos do sítio Dados Abertos, do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul. Tais subsídios permitiram concluir que o federalismo brasileiro transformou os munícipios em recebedores de recursos dos outros entes, prejudicando a autonomia desses. Assim, infere-se a necessidade de se estabelecer um novo federalismo.

     

  • Referências

    AITH, Fernando. Políticas públicas de Estado e de governo: instrumentos de consolidação do Estado Democrático de Direito e de promoção e proteção dos direitos humanos. In: BUCCI, Maria Paula Dallari Bucci (org.). Políticas públicas: reflexões sobre o conceito jurídico. São Paulo: Saraiva, 2006.

    BOADWAY, Robin; SHAH, Anwar. Fiscal Federalism: Principles and Practices of Multiorder Governance. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

    BONAVIDES, Paulo. A Constituição aberta: temas políticos e constitucionais da atualidade, com ênfase no federalismo das regiões. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

    BONAVIDES, Paulo. Ciência política. 25. ed. São Paulo: Malheiros, 2018.

    BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 2 jul. 2019.

    CARRAZZA, Roque Antonio. Curso de Direito Constitucional Tributário. 29. ed. rev. ampl. e atual. até a Emenda Constitucional n. 72/2013. São Paulo: Malheiros, 2013.

    DOMINGUES, José Marcos. Federalismo fiscal brasileiro. Revista Nomos: Revista do curso de Mestrado em Direito da UFC, Fortaleza, v. 26, p. 137-143, jan./jun. 2007

    FRIEDMAN, Barry. Valuing Federalism. Minnesota Law Review, Minneapolis, v. 82, p. 317-412, 1997. Base de dados HeinOnline. Disponível em: http://heinonline.org/HOL/Welcome. Acesso em: 29 nov. 2017.

    HAMILTON, Alexander; MADISON, James; JAY, John. The Federalist nº 62. National Archives. Founders On-line. Disponível em: https://founders.archives.gov/documents/Hamilton/01-04-02-0212. Acesso em: 21 set. 2017.

    HAURIOU, André. Derecho constitucional e instituciones politicas. Tradução José Antonio González Casanova. Barcelona: Ediciones Ariel, 1971.

    MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 6. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2011.

    MIRANDA, Jorge. Manual de direito constitucional. 1. ed. Coimbra: Coimbra Editores, 2014a. Vol. I. Tomo I.

    MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. 1. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2014b. Vol. II.

    NINO, Carlos Santiago. Fundamentos de derecho constitucional: Análisis Filosófico, Jurídico y Politológico de la Práctica Constitucional. 1. ed. 4ª reimpr. Buenos Aires: Editorial Astrea, 2013.

    PEREIRA, Renée Pereira; CORRÊA, Guilherme. Um terço dos municípios não gera receita nem para pagar salário do prefeito. Portal Uol, 26 ago. 2018. Disponível em: https://economia.uol.com.br/noticias/estadao-conteudo/2018/08/26/um-terco-dos-municipios-nao-gera-receita-nem-para-pagar-salario-do-prefeito.htm. Acesso em: 15 out. 2018.

    RUBIN, Edward L.; FEELEY, Malcolm. Federalism: Some Notes on a National Neurosis. UCLA Law Review, Los Angeles, v. 41, p. 903-952, 1994. Base de dados HeinOnline. Disponível em: http://heinonline.org/HOL/Welcome. Acesso em: 29 nov. 2017.

    SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional. 12. ed. rev. atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2015.

    SENADO FEDERAL. Proposta de Emenda à Constituição n° 55, de 2015. Brasília: Senado Federal, 2015. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=1400427&ts=1562191606370&disposition=inline. Acesso em: 8 jul. 2019.

    SILVA, José Afonso da. Curso de Direito constitucional positivo. 39. ed. rev. e atual. até a Emenda Constitucional n. 90, de 15.9.2015. São Paulo: Malheiros, 2016.

    SUPER, David A. Rethinking Fiscal Federalism. Harvard Law Review, vol. 118, p. 2.544-2.652, 2005. Base de dados HeinOnline. Disponível em: http://heinonline.org/HOL/Welcome. Acesso em: 29 ago. 2018.

    TORRES, Ricardo Lobo. Curso de Direito financeiro e tributário. 18. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Renovar, 2011.

    TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Portal Dados Abertos: balancete de despesa consolidado 2018. Disponível em: http://dados.tce.rs.gov.br/dataset/balancete-de-despesa-consolidado-2018.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal