• Resumo

    AUTONOMIAS INDÍGENAS NA BOLÍVIA: ENTRE A AUTODETERMINAÇÃO E A COLONIALIDADE

    Data de publicação: 20/12/2023

    Contextualização: Como um dos logros do constitucionalismo latino-americano, a Constituição Política do Estado Plurinacional da Bolívia reconheceu, normativamente, o direito “a autonomia, ao autogoverno, a cultura, ao reconhecimento de suas instituições e a consolidação de suas entidades territoriais, conforme a Constituição e a lei”. O Estado Plurinacional assume um compromisso com a garantia da autodeterminação e autogoverno das nações e povos indígenas originários campesinos e para possibilitá-la prevê a criação de autonomias indígenas originárias campesinas, previstas no artigo 289 e seguintes e reguladas pela chamada Lei Marco das Autonomias e Descentralização “Andrés Ibáñez”. No entanto, as disposições da regulação e procedimentos exigidos para a configuração da autonomia indígena exigem que os povos adotem a lógica de pensamento e estruturação que embasam o próprio Estado, como referendo, estatuto e controle de constitucionalidade pelo Tribunal Constitucional Plurinacional.

    Objetivo: Tem-se como objetivo geral analisar o processo que resultou na criação da Autonomía Guaraní Charagua Iyambae, na Bolívia, abordando as contradições e a persistência da lógica colonial na instrumentalização do compromisso de garantir autodeterminação dos povos.

    Método: A metodologia utilizada resulta da combinação dos métodos de abordagem indutivo e dialético, dos métodos de procedimento monográfico e comparativo e das técnicas de pesquisa bibliográfica, documental e visita técnica à região analisada.

    Resultados: Como resultado, verifica-se que a autodeterminação garantida pela constituição encontra obstáculos às exigências feitas pelo próprio texto constitucional e legislação regulamentadora. No entanto, há evidências de que tais povos vêm se utilizando desses instrumentos para fazer frente ao Estado desde fora e, ao mesmo tempo, de dentro.

  • Referências

    ALBÓ, Javier. Las flamantes autonomias indígenas em Bolívia. In: GONZÁLEZ, Miguel; MAYOR, Araceli Burguete Carl; ORTIZ, Pablo (Coords.). La autonomia a debate: autogobierno indígena y Estado Plurinacional em América Latina. Quito: FLACSO, 2010. p. 355-384.

    BALDI, César Augusto. Indígenas no Brasil: a diversidade cultural e as “cláusulas de freio”. In: BRITTO, Antonio Guimarães; BECKER, Simone; OLIVEIRA, Jorge Eremites (Orgs.) Estudos de Antropologia Jurídica na América Latina Indígena. Curitiba: CURV, 2012. p. 73-90.

    BOLÍVIA, Estado Plurinacional de. Constitución Política del Estado Plurinacional de Bolívia. Sucre, 2016.

    BOLÍVIA, Estado Plurinacional de. Tribunal Constitucional Plurinacional. Declaración Constitucional Plurinacional 0013/2013.

    BOLÍVIA, Estado Plurinacional de. Tribunal Constitucional Plurinacional. Declaración Constitucional Plurinacional 0023/2014.

    CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, Edgardo (eds.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 80-87.

    CHARAGUA. Estatuto de la Autonomía Guarani Charagua Iyambae. 2014. Disponível em: https://www.charagua.gob.bo/wp-content/uploads/2018/07/Estatuto_de_la_Autonomia_Guarani_Charagua_Iyambae.pdf. Acesso em: 1º jun. 2019.

    CHARAGUA. Estructura de gobierno de Charagua Iyambae. 2019. Disponível em: https://www.charagua.gob.bo/estructura-de-gobierno-de-charagua-iyambae/. Acesso em: 10 jul. 2019.

    CHARAGUA. Historia de la autonomía Charagua Iyambae. 2019. Disponível em: https://www.charagua.gob.bo/historia-de-la-gaioc-charagua-iyambae/. Acesso em: 10 jul. 2019.

    CHARAGUA. Quienes somos. 2019. Disponível em: https://www.charagua.gob.bo/quienes-somos/. Acesso em: 10 jul. 2019.

    CIPCA – CENTRO DE INVESTIGACIÓN Y PROMOCIÓN DEL CAMPESINATO. Entendiendo la Autonomía Indígena Originaria Campesina. Camiri – Bolívia – Território Guarani: 2017.

    DWORKIN, Ronald. O Império do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

    ESCOBAR, Arturo. El lugar de la naturaleza y la naturaleza del lugar: ¿globalización o postdesarrollo?. In: LANDER, Edgardo (Ed.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2000. p. 113-143.

    GARGARELLA, Roberto. El nacimiento del "constitucionalismo popular". Revista de libros de la Fundación Caja Madrid, Madri, n. 112, p. 15-18, abril 2006.

    GONZÁLEZ, Miguel. Autonomías territoriales indígenas y regímenes autonómicos (desde el Estado) em América Latina. In: GONZÁLEZ, Miguel; MAYOR, Araceli Burguete Carl; ORTIZ, Pablo (Coords.). La autonomia a debate: autogobierno indígena y Estado Plurinacional em América Latina. Quito: FLACSO, 2010. p. 35-62.

    KERSTING, Wolfgang. Universalismo e Direitos Humanos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

    KRAMER, Larry. The people themselves: Popular Constitutionalism and Judicial Review. Kindle Edition. Oxford: Oxford University Press, 2004.

    LACLAU, Ernesto. Emancipation. Londres: Verso, 1996.

    LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia y estratégia socialista: hacia una radicalización de la democracia. 2. ed. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica de Argentina, 2004.

    LANDER, Edgardo. Ciencias Sociales: saberes coloniales y eurocéntricos. In: LANDER, Edgardo (Ed.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2000.

    MEDICI, Alejandro. La Constitución horizontal. Teoría constitucional y giro decolonial. 1. San Luis Potosí: CENEJUS, 2012.

    MIGNOLO, Walter. La idea de América Latina. La herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Editorial Gedisa, 2007.

    ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas. Rio de Janeiro: Nações Unidas, 2008. Disponível em: https://www.un.org/esa/socdev/unpfii/documents/DRIPS_pt.pdf. Acesso em: 13 jul. 2019.

    PABÓN, Magali V. C.; KENNEMORE, Amy M.; CANELAS, Elizabeth López. Desafíos y potencialidades de la autonomía y la gestión territorial indígena en el marco de los procesos de desarollo. La Paz: UNITAS, 2018.

    PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Apresentação da edição em português. In: LANDER, Edgardo. (eds.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 3-5.

    QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo. (eds.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 201-242.

    SALAZAR LOHMAN, Huáscar. Se han adueñado del proceso de lucha: Horizonte comunitario-populares en tensión y la reconstrucción de la dominación en la Bolivia del MAS. Cochabamba: SOCEE/Autodeterminación, 2015.

    SEGATO, Rita. La argamasa jerárquica: violencia moral, reproducción del mundo y la eficacia simbólica de Derecho. In: SEGATO, Rita. Las estructuras elementares de la violencia: ensayos sobre género entre la antropología, el psicoanálisis y los derechos humanos. 2. ed. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2010. p. 105-128.

    SEROTA, Michael. Popular Constitucional Interpretation. Connecticut Law Review, v. 44, n. 5, September 17, 2012.

    SILVA, Lígia Osório. Terras devolutas e latifúndio: efeitos da lei de terras de 1850. Campinas: Unicamp, 1996.

    SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. O renascer dos povos indígenas para o direito. Curitiba: Juruá, 1998.

    SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. A função social da terra. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2003.

    SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. A Universalidade parcial dos direitos humanos. In: SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. A liberdade e outros direitos: ensaios socioambientais. Curitiba: Letra da Lei, 2011. p. 49-56.

    SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. A essência socioambiental do constitucionalismo latino-americano. Revista da Faculdade de Direito da UFG, Goiânia, v. 41, p. 197-215, 2017.

    SOUZA FILHO, Carlos Frederico Marés de. De como a natureza foi expulsa da modernidade. Revista de Direitos Difusos, v. 68, p. 15-40, 2018.

    TÁRREGA, Maria Cristina Vidotte Blanco; FREITAS, Vitor Sousa. Novo Constitucionalismo democrático latino-americano: paradigma jurídico emergente em tempos de crise democrática. In: AVRITZER, Leonardo et al. (Orgs.) O constitucionalismo democrático latino-americano em debate: soberania, separação de poderes e sistema de direitos. Belo Horizonte: Autêntica, 2016. p. 97-118.

    WITTGENSTEIN, Ludwig. Tratado lógico-filosófico. Investigações filosóficas. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal