• Resumo

    LIMITES DO DIREITO FUNDAMENTAL À PROTEÇÃO DE DADOS EM FACE DA INSTRUÇÃO PROBATÓRIA NO PROCESSO PENAL

    Data de publicação: 26/04/2023

    Contextualização: Na sociedade moderna em que vivemos, caracterizada pelo constante e acelerado desenvolvimento tecnológico, compreender de que modo se pode tutelar adequadamente o direito à privacidade, intimidade e dados individuais, representa questão fundamental, nomeadamente quando inúmeras políticas públicas, em nome da segurança social, têm surgido colocando em risco aqueles direitos.

    Objetivo: Avaliar como tem se constituído o debate doutrinário e casuístico das tensas equações entre o direito fundamental à proteção de dados da pessoa física, em face da persecução penal, nomeadamente no Brasil.

    Metodologia: Utilizou-se, na pesquisa, o método dedutivo, testando as hipóteses com os fundamentos gerais a serem declinados e análise de alguns casos jurisprudenciais, bem como técnica de pesquisa com documentação indireta, nomeadamente bibliográfica.

    Resultados: Enquanto resultados, sustenta-se que a requisição de dados pessoais armazenados por provedores de serviços de internet pode se dar desde que indicados os elementos previstos na Lei nº 12.965/2014, em seus Arts. 22 e 23, a saber: a) fundados indícios da ocorrência do ilícito; b) justificativa motivada da utilidade da requisição; e c) período ao qual se referem os registros, e que sua execução também se dê observados os ditames da adequação, necessidade e proporcionalidade em sentido estrito referidos.

  • Referências

    ALBRECHT, Hans-Jörg. Direito Penal e Periculosidade: a politica criminal entre prevenção, combate a perigos e retribuição de culpa. In MACHADO, Marta R. de Assis e PÜSCHEL, Flavia Portella (org.). Reponsabilidade e Pena no Estado Democrático de Direito. São Paulo: FGV, 2016.

    ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. São Paulo: Atlas, 2010.

    ----. The Construction of Constitutional Rights. In Law & ethics of Human Rights, Volume 4, Issue 1. Article 2. Berkeley: Berkeley Electronic Press, 2010.

    BALDASSARRE, Antonio. Diritti della persona e valori costituzionale. Torino: Giappichelli, 1997.

    CANARIS, Wilhelm Canaris. Pensamento sistemático e conceito de sistema na ciência do direito. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1996.

    CARVALHO, Márcia Haidée Porto de. A defesa da honra e o direito à informação. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2002.

    CERRINA FERONI, Ginevra e MOBIDELLI, Giuseppe. La sicurezza: un valore superprimario. In Percorsi Costituzionale. V.I, nº1/2008, p.39.

    COCCO, Giovanni. (a cura di). I diversi volti della sicurezza. Milano: Giuffrè, 2012.

    CORTÉS, Raúl Arrieta. El nuevo entorno regulatorio de la protección de datos personales en Chile. Publicado no site https://iapp.org/news/a/el-nuevo-entorno-regulatorio-de-la-proteccion-de-datos-personales-en-chile/, acesso em 14/06/2022.

    COSTA Jr., Paulo José da. O Direito de estar só – tutela penal da intimidade. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

    FEDERAL TRADE COMISSION - FTC. Protecting consumer privacy in an era of rapid change: recommendation for businesses and policymakers, 2012. Acesso pelo site https://www.ftc.gov/sites/default/files/documents/reports/federal-trade-commission-report-protecting-consumer-privacy-era-rapid-change-recommendations/120326privacyreport.pdf, acesso em 14/04/2021.

    FRANÇA, Rubens Limongi. Instituições de Direito Civil. São Paulo: Saraiva, 1999.

    FROSINI, Tomaso Edoardo. Il diritto costituzionale alla sicurezza. In Forum online di Quaderni Costituzionali, acessado pelo site: https://www.forumcostituzionale.it/wordpress/wpcontent/uploads/pre_2006/440.pdf. Acesso em: 26/05/2021.

    GAZZETTA, Cristina. Sicurezza, terrorismo e cittadinanza: la nuova legislazione francese anti-terrorismo e l’impegno Internazionale contro i cd. foreing fighters. In Osservatório sulla normativa, anno V, nº3, 2015.

    GOMES, Orlando. Introdução ao Direito Civil. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

    HODUN, Milozs. Doctrine of implied powers as a judicial tool to build federal polities – comparative study on the doctrine of implied power in the European Union and the United States of America. Islândia: Reykjavik University, 2015, acesso pelo site: https://opinvisindi.is/bitstream/handle/20.500.11815/2479/Doctrine%20of%20implied%20powers%20as%20a%20judicial....pdf?sequence=1&isAllowed=y, acesso em 06/10/2022.

    /05/2021.

    LAGES, Giniton e RAMOS, Carlos. Quem matou Marielle? São Paulo: Matrix, 2022.

    LUÑO, Antonio Henrique Pérez. Derechos Humanos, Estado de Derecho y Constitución. Madrid: Tecnos Ltda, 1999.

    MCNEIL, Sonia. Privacy and the modern grid. In Harvard Journal of Law & Technology.V.25 n.1, 2011.

    PONTES DE MIRANDA, Francisco Cavalcanti. Tratado de Direito Privado. Direito de Personalidade. Direito de Família. Rio de Janeiro: Borsoi, 1955.

    RODOTÀ, Stefano. Privacy, libertà, dignità. In www.garanteprivacy.it, 2004, acesso em 20/08/2022.

    ROSA, Alexandre Morais da; DA SILVA, Viviane Ghizoni, e SILVA, Philipe Benoni Melo e. Fishing Expedition e encontro fortuito na busca e na apreensão – Um dilema oculto do processo penal. Florianópolis: EMais, 2022.

    RUTUOLO, Marco. Diritto ala sicurezza e sicurezza dei diritti. In Osservatório sulla normativa, anno III, nº2, 2013.

    SCHOUCAIR, João Paulo Santos e CAIRES, Luciana Matutino. Ação controlada e sua análise no combate ao crime organizado. In PAULINO, Galtiênio da Cruz, e outros (Org.). Técnicas avançadas de investigação. Brasília: ESMPU, 2021.

    WARREN, Samuel D. & BRANDEIS, Louis D. The Right to Privacy. In Harvard Law Review, vol.4, nº5. December 15, 1890.

    www.stj.jus.br/internet_docs/jurisprudencia/jurisprudenciaemteses/Jurisprudência%20em%20teses%20105%20-%20Provas%20no%20Processo%20Penal%20-%20I.pdf, acesso em 11/10/2022.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal