• Resumo

    ARGUMENTO CONTRAMAJORITÁRIO: LEGISLADOR PRECÁRIO OU JUIZ CAPACITADO

    Data de publicação: 01/04/2024

    Contextualização: Parte do argumento contramajoritário é utilizado para justificar as ações dos Tribunais Constitucionais. Isto muda a localização tradicional do Judiciário. Visto que as decisões dos juízes, especialmente os de jurisdição constitucional, tornam-se importantes elementos de discussão pública. Isto implica que os juízes deixem de ser membros daquele ramo do poder público desprezado, ou menos valorizado, para se tornarem protagonistas da discussão pública.

    Objetivo: Este trabalho a partir da análise de casos propõe como interagem a nova concepção da norma constitucional e o julgamento de amparo. Para tanto, será realizada uma análise para estabelecer algumas das notas descritivas do neoconstitucionalismo.

    Metodologia: Utiliza-se o método dedutivo para localizar a pedra de toque do sistema de garantia jurisdicional ou como ele teve que ser modificado em função da nova compreensão das normas supremas; Isto dá lugar ao método descritivo baseado na compilação e sistematização de sentenças que deram uma mudança de rumo à dogmática dos princípios norteadores do julgamento de amparo, e com ele também se aplica a sistematização jurisprudencial.

    Resultados: Em síntese, na objeção democrática alega-se o paradoxo do juiz constitucional, que em essência é o paradoxo do juiz em uma sociedade democrática. Mas decorre da necessidade de controlo jurisdicional das leis ordinárias e de respeito pelos direitos humanos, cujo autor é o legislador (ou outro órgão que não o poder constituinte), uma vez que se presume que expressam a vontade do povo ou, pelo menos, da maioria.

  • Referências

    ACOSTA-Sánchez, José. Formación de la Constitución y jurisdicción constitucional. Madrid: Tecnos, 1998.

    ALEXY, Robert. Teoría de los derechos fundamentales. São Paulo: Malheiros Editores, 2002.

    REYES, Manuel Aragon. La eficacia jurídica del principio demócratico. Revista española de derecho constitucional, nº 8, Nº 24, p. 9-45, 1988

    ASENSI Sabater, José. Constitucionalismo y derecho constitucional. Valencia: Tirant lo Blanch, 1996, p. 184.

    ATIENZA, Mamuel. El derecho como argumentación. Barcelona: Ariel, 2006.

    ATIENZA, Manuel. Curso de argumentación juridica. Madrid: Trotta, 2013.

    BERNAL Pulido, Carlos. El principio de proporcionalidad y los derechos fundamentales. Bogotá: Universidad Externado Colombia, 2014, p. 873.

    CARBONELL, Miguel. ¿Qué es el neoconstitucionalismo? Ciuadad de México: Centro de Estudios Carbonell, 2017.

    CÁRDENAS García, Jaime. Argumentación juridica. Ciuadad de Mexico: Centro Carbonell, 2016, p. 16.

    CLÉRICO, Laura. Derechos y proporcionalidad: Violaciones por acción, por insuficiencia y por regresión. Querétaro: Instituto de Estudio Constitucionales de Querétaro. 2018, p. 2016-2017.

    FERRAJOLI, Luigi. Garantismo. Debate sobre el derecho y la democracia. Madrid: Trotta, 2006.

    GARCÍA Ramírez, Sergio. Poder Judicial y Ministerio Público. Ciudad de México: Purrúa, 1996.

    GUASTINI, Riccardo. Sobre el concepto de constitución. En M. Carbonell, Neoconstitucionalismo. Ciudad de México: Centro de Estudios Carbonell, 2017, p. 29-51.

    PACELLE, Richard. The Role of the Supreme Court in American Politics. Boulder: Westview, 2002.

    PRIETO Sanchís, Luis. El constitucionalismo de los derechos. Madrid: Trotta, 2003, p. 171.

    SANTIAGO Nino, Carlos. Introducción al análisis del derecho. Buenos Aires: Astrea, 2017.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal