• Resumo

    A EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS POLÍTICOS DAS MULHERES À LUZ DE NANCY FRASER

    Data de publicação: 15/12/2023

    Contextualização: No ranqueamento mundial que abarca a presença feminina no Parlamento, o Brasil se situa entre os últimos países, o que significa que contempla a centésima décima sétima posição na classificação mundial de mulheres parlamentares dentre outros 190 países. Em consonância com a edição de 2015 do Mapa da União Interparlamentar e da Organização das Nações Unidas (ONU) Mulheres, isso também revela condição desfavorável no que diz respeito aos países da América do Sul.

    Objetivo: Nessa perspectiva, objetiva-se, neste trabalho, analisar o déficit de participação política feminina à luz da teoria tridimensional de Fraser, que propugna alcançar o reconhecimento (status social), a redistribuição (âmbito econômico) e a representação (político) com vistas a atingir a paridade de participação no âmbito das sociedades democráticas.

    Metodologia: À vista disso, a pesquisa se estruturou pela análise crítica do discurso feminista e pelo método de indução analítica, com a técnica de pesquisa da documentação indireta.

    Resultados: Para tanto, convém que as mulheres tenham concretizadas as três esferas para possibilitar a paridade de participação e consequentemente a plena participação política, conquistando a concepção efetiva democrática de justiça social a esse grupo.

  • Referências

    ÁVILA, Maria Betania. Reforma política para transformação do sistema e da vida das mulheres. Brasil. Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Revista Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. 1ª Impressão. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2015.

    BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 2º ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

    BRASIL. Lei 9.504/1997, de 30 de set. de 1997. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9504.htm>. Acesso em: 01 de set. de 2016.

    _______. Lei 12.034/2009, de 29 de set. de 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12034>.htm. Acesso em: 01 de set. de 2016.

    BUNCHAFT, Maria Eugênia. Ativismo judicial grupos estigmatizados: Filosofia Constitucional do Reconhecimento. Curitiba: Juruá, 2014.

    ______________________. Transexualidade no STJ: Desafios para a Despatologização à luz do debate Butler-Fraser.Disponível em: < http://www.academia.edu/25353784/Transexualidade_no_STJ_desafios_para_a_despatologiza%C3%A7%C3%A3o_%C3%A0_luz_do_debate_Butler-Fraser >. Acesso em: 01 de ago. 2016.

    BUTLER, Judith. Quadro de guerra: Quando a vida é passível de luto?. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

    CAMPINHO, Bernardo Brasil. Direitos Políticos e Igualdade de Gênero: participação política feminina como construção democrática. In: Direitos fundamentais e democracia III - CONPEDI/UFSC. (ORG.) MACHADO, EdinilsonDonisete, BERTOSO, João Martins, CUNHA, Leandro Reinaldo da. 1ed.Florianópolis/SC - Brasil: UFSC, 2014, p. 480-510.

    ESCRIVÃO FILHO, Antônio, SOUSA JUNIOR, José Geraldo de. Para um debate teórico-conceitual e político sobre os DIREITOS HUMANOS. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2016.

    FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

    _________________. Microfísica do Poder. 28 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

    FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da Justiça na era Pós-socialista. (Org.) SOUZA, Jessé. In: Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1997.

    ______________. Distorted Beyound all Recognition: A Rejoinder to Axel Honneth. In: FRASER, Nancy; HONNETH, Axel. Redistribution or Recognition?- A Political Philosophical Exchange. London: Verso, 2003b.

    ______________.Justice Social in the Age of Identity Politics. In: FRASER, Nancy; HONNETH, Axel. Redistribution or Recognition? - A Political Philosophical Exchange. London: Verso, 2003a.

    ______________. Recognition without Ethics? Theory, Culture & Society, vol 18, n. 2-3. London: Sage Publications, 2001.

    ______________. Rethinking the Public Sphere: a Contribution to the Critique of Actually Existing Democracy. In: CALHOUN, Craig. Habermas and the Public Sphere. Cambridge: Mit Press, 1992.

    ______________. Scales of Justice: Reimagining political space in a globalizing world. New York: Columbia University Press, 2010.

    ______________. O feminismo, o capitalismo e a astúcia da história. In: Dossiê: Contribuições do Pensamento Feminista para as Ciências Sociais.Tradução: COSTA FILHO, Anselmo da; CALVALCANTE, Sávio. 2009.

    GOMES, Renata Raupp. Os “Novos” Direitos na Perspectiva Feminista: a Constituição dos Direitos das Mulheres. In: Os “novos direitos no Brasil-Natureza e Perspectivas - Uma Visão Básica das Novas Conflituosidades Jurídicas”. (Org.) WOLKMER, Antônio Carlos, MORATO LEITE, José Rubens. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

    LARA, Maria Pia; FINE, Robert. In: LOVELL, Terry (Ed.). (Mis) recognition, social inequality and social justice: Nancy Fraser and Pierre Bourdieu. London and New York: Routledge, 2007.

    MACEDO, Elaine Harzheim. A cota de gênero no processo eleitoral como ação afirmativa na concretização de direitos fundamentais políticos: tratamento legislativo e jurisdicional, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 de ago. de 2016.

    MATTOS, Marlise. Democracia, sistema político brasileiro e a exclusão das mulheres: a urgência em aprofundar estratégias de descolonização e despatriarcalização do Estado Brasil. Revista Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. 1ª Impressão. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Dezembro, 2015.

    MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia. Feminismo e Política. São Paulo: Boitempo, 2014.

    MOTA, Fernanda Ferreira; BIROLI, Flávia. O gênero na política: a construção do “feminino” nas eleições presidenciais de 2010. Cad. Pagu [online]. 2014, n. 43, PP. 197-231. Disponível em .

    NARVAZ, Martha, KOLLER, Silvia Helena. Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política, 2006.Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722006000300021>. Acesso em: 01 de ago. de 2016.

    SCOTT, Joan. Gênero: Uma categoria útil para análise histórica. V. 20, Porto Alegre: Educação & Realidade, 1995.

    ZENI, Bruna, RECKZIEGEL, Tânia. Mais mulheres no poder: a necessária ampliação da representatividade feminina no cenário político nacional. In: Direitos Humanos e participação política. (Org.) GORCZEVSKI, Clóvis, 2010.

    Endereços eletrônicos utilizados:

    Palácio do Planalto Presidência da República: < http://www.planalto.gov.br/>.

    Tribunal Superior Eleitoral (TSE): < http://www.tse.jus.br/>.

Revista Eletrônica Direito e Política

A Revista Eletrônica Direito e Política (ISSN 1980-7791), Qualis A2 Direito, tem como missão servir à comunidade acadêmico-científica como um instrumento de informação e divulgação de inúmeras contribuições científicas.

A RDP é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

Não há cobrança de taxas aos autores para cadastro, submissão, processamento e/ou publicação dos artigos.

As publicações dar-se-ão até o último dia dos meses de abril, agosto e dezembro de cada ano. A revista estimula os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”, que compõem a linha editorial da revista.

O título abreviado da revista é RDP, o qual deve ser usado em bibliografias, notas de rodapé, referências e legendas bibliográficas.

Access journal