• Resumo

    CHINA NA ENCRUZILHADA: COMO A CHINA ESTÁ AVANÇANDO NA INOVAÇÃO

    Data de publicação: 22/03/2024

    Contextualização: Este artigo analisa o impulso da China em direção à inovação na educação pública, sugerindo que o país está determinado a transformar seu sistema educacional em um que promova a criatividade como norma e faça da inovação um resultado consistente e priorizado. Mudanças nas práticas educacionais só ocorrerão se a ideia for consistente e tiver um valor claro para pais, líderes empresariais e educadores. A liderança chinesa está claramente focada em realizar essa mudança.

    Objetivo: O objetivo do artigo é discutir vários elementos-chave que podem facilitar o caminho para a institucionalização da inovação no sistema educacional da China. Isso inclui a possibilidade de a China monetizar a inovação tornando-se líder na batalha global por novas patentes de design, o que justificaria investimentos substanciais na transformação futura de seu sistema educacional, desde a educação infantil até a pós-graduação.

    Metodologia: trata-se de pesquisa exploratória que se vale do método indutivo e utilizada a revisão bibliográfica como técnica para coleta de dados.

    Resultados: O artigo propõe que, com apoio e orientação adequados, a China está pronta para enfrentar o desafio de nutrir a inovação em um curto espaço de tempo. Isso depende de uma série de decisões sobre como o espaço é utilizado, como os professores são designados, treinados e apoiados, e os conceitos e a pedagogia que direcionam a aprendizagem. Apoiar os professores na construção e gestão de novas estruturas que fomentem a inovação é essencial para mudar a estrutura das escolas e do ensino, ensinando os alunos a se tornarem mais criativos, o que é fundamental para a futura economia da China.

  • Referências

    BAIDU COMPANY. Chinese internet learning white paper. The Chinese Journal of ICT in Education, v. 16, n. Suppl, p. 48–49, 2015.

    COTTER, K. N.; PRETZ, J. E.; KAUFMAN, J. C. Applicant Extracurricular Involvement Predicts Creativity Better Than Traditional Admissions Factors. Psychology of Aesthetics, Creativity, and the Arts, v. 24, p. 250-267, 2015. DOI: 10.1037/A0039831

    DACEY, J. S.; LENNON, K. H. Understanding creativity: The interplay of biological, psychological, and social factors. San Francisco: Jossey-Bass, 1998. p. 69.

    DELLO-IACOVO, Belinda. Curriculum Reform and "Quality Education" in China: An Overview. International Journal of Educational Development, v. 29, n. 3, p. 241-249, 2009.

    GAJDA, A.; BEGHETTO, R. A.; KARWOWSKI, M. Exploring creative learning in the classroom: A multi-method approach. Thinking Skills and Creativity, v. 24, p. 250-267, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.tsc.2017.04.002

    HUANG, F. Building the world-class research universities: A case study of China. Higher Education, v. 70, n. 2, p. 203–215, 2015.

    JIANG, Zhaochen. Literacy teaching by rhyming text. International Conference of Chinese Education, p. 272–280, 2002.

    KELLOGG, R. P. China’s brain gain? Attitudes and future plans of overseas. Journal of Chinese Overseas, v. 8, n. 1, p. 83–104, 2012.

    LAI, M.; LO, L. N. K. Struggling to balance various stakeholders’ perceptions: The work life of ideo-political education teachers in China. Higher Education, v. 62, n. 3, p. 333–349, 2011.

    LI, D.; REMEDIOS, L.; CLARKE, D. Chinese students’ groupwork practices and experiences in China. Higher Education, v. 68, n. 2, p. 227–241, 2014.

    LOVELESS, T. Lessons from the PISA-Shanghai controversy. Washington, DD: Brookings Institution, Brown Center on Education Policy, 2014.

    LUNDVALL, B.A. National Systems of Innovation: Towards a Theory of Innovation and Interactive Learning. London: Pinter Publishers, 1992.

    MASHKINA, O. A. China: prospects for innovation and education. História e Modernidade, n. 2, p. 144–158, 2010.

    MINISTRY OF EDUCATION OF THE PEOPLE’S REPUBLIC OF CHINA (MOE). Jiaoyubu bangongting guanyu tuijin shishi gaoxiao sixiang zhengzhi lilunke tepin jiaoshou zhidu de tongzhi. 2016. Disponível em: <http://www.moe.edu.cn/srcsite/A13/moe_772/201604/t20160412_237724.html>. Acesso em: 15 mar. 2024.

    MOK, K.-H. Globalization and educational restructuring: University merging and changing governance in China. Higher Education, v. 50, n. 1, p. 57-88, 2005. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/25068089. R

    OECD. PISA 2012 results. Creative problem solving: Students’ skills in tackling real-life problems. Paris: OECD, 2014.

    REN, Y. Q.; LU, B. R. The top-level design of ICT in education during the thirteenth five-year plan. e-Education Research, v. 36, n. 6, p. 5–14, 2015.

    SNEDDON, Michael. Visões Internas: Uma olhada no enorme aumento nos depósitos de patentes na China. Intellectual Property Watch, 22 abr. 2015.

    STEVENSON, Harold W.; STIGLER, James W. The learning gap: Why our schools are failing and what we can learn from Japanese and Chinese education. New York: Summit Books, 1992

    TAUBMAN-REZAKHANLOU, Jahan Harry. hina Continues High Growth in IO Filings, But is There More To The Story. Intellectual Property Watch, 04 fev. 2016.

    ZHAO, Yong. Aprendizes de classe mundial: Educando estudantes criativos e empreendedores. Thousand Oaks: Corwin, 2012.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal