• Resumo

    O DIREITO É A BANANA DA BIOPOLÍTICA

    Data de publicação: 15/12/2023

    Contextualização do tema: O presente texto foi escrito no contexto da pandemia de Covid-19, diante de situação peculiar em que o corpo de direção de uma instituição de ensino superior particular demandava o retorno dos professores ao ensino presencial. Por esta ocasião, pensou-se na discussão a respeito da relação entre trabalho e morte, utilizando-se da metáfora da banana como figura de linguagem ilustrativa da situação.

    Objetivos: O texto tem por objetivo pensar algumas relações entre trabalho e morte em tempos de pandemia. Para tanto, discute elementos da biopolítica e da necropolítica a partir de uma metáfora provocativa que relaciona o direito à banana.

    Metodologia: O método utilizado no presente texto é o dedutivo; de revisão bibliográfica de noções elaboradas por Michel Foucault, Byung-Chul Han, Achille Mbembe, Eduardo Viveiros de Castro e Ghassan Hage; e possui caráter ensaístico.

    Resultados: Constatou-se que a partir da metáfora elaborada da banana o direito pode ser associado como um dispositivo biopolítico para discutir e fazer pensar as relações entre trabalho e morte em tempos de pandemia, mas não apenas.

  • Referências

    AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009.

    BENJAMIN, Walter. Teses sobre a filosofia da história. In. Sobre arte, técnica, linguagem e política. Tradução de Maria Luz Moita, Maria Amélia Cruz e Manuel Alberto. Lisboa: Relógio D’água, 1992.

    CAETANO, João Carlos Relvão; BEDÊ, Fayga Silveira; ALMEIDA, Leinard Rocha de; SANTOS, Mateus Rocha. Ensino jurídico participativo durante a pandemia da covid-19: como transpor metodologias ativas para o ambiente virtual – relato de experiências. In. Revista Culturas Jurídicas, Vol. 8, Núm. 21, set./dez., 2021.

    CANCELLIER DE OLIVO, Luis Carlos. O imaginário jurídico na representação literária. In. Por uma compreensão jurídica de Machado de Assis. Florianópolis: UFSC; Fundação Boiteaux, 2011.

    CASTRO, Eduardo Viveiros de. O que está acontecendo no Brasil é um genocídio. São Paulo: n-1, 2020.

    FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e José Augusto Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

    HAGE, Ghassan. O fantasma do acadêmico inútil: pensamento crítico em tempos de coronavírus. Tradução de Rodrigo Bulamah. São Paulo: n-1, 2020.

    HAN, Byung-Chul. Topologia da violência. Tradução de Enio Paulo Giachini. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

    INVISÍVEL, Comitê. Motim e destituição agora. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. São Paulo: n-1, 2017.

    KONDER, Leandro. As artes da palavra: elementos para uma poética marxista. São Paulo: Boitempo, 2005.

    MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. Tradução de Álvaro Pina e Ivana Jinkings. São Paulo: Boitempo, 2010.

    MARX, Karl. O capital: crítica da economia política: livro I: o processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

    MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo: n-1, 2018.

    OLIVEIRA, Rodrigo Rios Faria de; ANDRADE, Nelson Lambert de. A Educação e o Ensino Jurídico no Brasil: um percurso na pandemia. In. Brazilian Applied Science Review, Curitiba, v.5, n.2, p.878-890mar./abr. 2021.

    PINTO, Anna Carolina Cunha. Da bio à tanatopolítica: extermínio e seletividade do direito à vida da juventude negra, pobre e periférica da cidade do Rio de Janeiro. Dissertação. Mestrado em Ciências Jurídicas e Sociais. Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Direito. Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2018.

    RODRIGUES, Horácio Wanderlei. Educação superior em tempos de pandemia: direito temporário aplicável e seu alcance. In. Revista de Pesquisa e Educação Jurídica. v. 6. n. 1 Jan/Jun. 2020.

    TABARELLI, Liane; GALIA, Rodrigo Wasem. Repensando o ensino jurídico a partir da pandemia (covid-19) e as novas tecnologias para a educação à distância. In. CERS - Revista Científica Disruptiva. v. III. n. 1. Jan-jun. 2021.

    TIQQUN. Contribuição para a guerra em curso. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. São Paulo: n-1, 2019.

Revista Eletrônica Direito e Política

A Revista Eletrônica Direito e Política (ISSN 1980-7791), Qualis A2 Direito, tem como missão servir à comunidade acadêmico-científica como um instrumento de informação e divulgação de inúmeras contribuições científicas.

A RDP é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

Não há cobrança de taxas aos autores para cadastro, submissão, processamento e/ou publicação dos artigos.

As publicações dar-se-ão até o último dia dos meses de abril, agosto e dezembro de cada ano. A revista estimula os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”, que compõem a linha editorial da revista.

O título abreviado da revista é RDP, o qual deve ser usado em bibliografias, notas de rodapé, referências e legendas bibliográficas.

Access journal