A RESPONSABILIDADE CIVIL DOS AGENTES NOTARIAIS E DE REGISTRO: ENTRE A TEORIA E A PRÁXIS APÓS A FIXAÇÃO DO TEMA 777 FEITO PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Autores

  • Kleber Cazzaro Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR
  • Rodrigo Bley Santos Universidade Federal do Paraná - UFPR
  • Aline Rodrigues de Andrade Universidade Estadual de Ponta Grossa

DOI:

https://doi.org/10.14210/rdp.v17n3.p835-856

Palavras-chave:

constituição federal, direito administrativo, direito civil, atividade notarial e registral, responsabilidade civil, jurisprudência

Resumo

Contextualização do tema: A Constituição de 1988 atribuiu natureza sui generis à atividade notarial e registral visto se tratar de serviço público exercido em caráter privado. A peculiaridade da disciplina é demonstrada pelos diversos entendimentos a respeito do regime, com reflexo consolidado pela doutrina e jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF). Neste ensaio estão abordados os aspectos gerais da atividade notarial e registral, a responsabilidade civil dos agentes delegados e a jurisprudência atual sobre o tema.

Objetivos: A pesquisa visa analisar o reflexo da Tese de Repercussão Geral n. 777 do STF, que fixou o sistema de responsabilização civil dos notários e registradores, para o cenário da prática jurídica atual.

Metodologia: Segue-se o método dedutivo de abordagem para a construção do texto.

Resultados: Conclui-se que o Estado responde, objetivamente, pelos atos dos notários e registradores que, no exercício de suas funções, causem danos a terceiros, cabendo ao Estado o dever de regresso contra o responsável, nos casos de dolo ou culpa. Essa é a regra que deve ser respeitada e aplicada aos casos concretos que advierem para julgamento do Poder Judiciário.

Biografia do Autor

Kleber Cazzaro, Universidade Estadual de Ponta Grossa - PR

Doutor e Mestre em Ciência Jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí. Especialista e Bacharel em Direito pela Estadual de Ponta Grossa. Advogado e Professor da Graduação e do Programa de Mestrado em Direito da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Advogado. klebercazzaro@hotmail.com

Rodrigo Bley Santos, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Mestre em Direito das Relações Sociais e Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná. Especialista em Direito Processual Civil pelo Instituto Romeu Felipe Bacellar. Advogado. rodrigobleysantos@gmail.com

Aline Rodrigues de Andrade, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Mestranda em Direito pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Especialista em Direito Administrativo e Direito Processual Civil pelo Instituto Romeu Felipe Bacellar. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná. Advogada. aline@macedoguedes.com.br

Referências

ANDRADE, Aline Rodrigues de; STINGHEN, João Rodrigo de Morais. O regime disciplinar dos agentes delegados e sua aplicação pelo Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça do Paraná. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 1014, p. 45-65, abr. 2020.

ANDRADE, Samira Hamud Morato de. O princípio do devido processo legal e o processo administrativo. Doutrinas Essenciais de Direito Administrativo, v. 1, p. 1143-1172, nov. 2012.

BENICIO, Hercules Alexandre da Costa. A responsabilidade civil de notários e registradores sob a égide da Lei 13.286/2016. Revista de Direito Imobiliário, São Paulo, v. 81, p. 363-381, jul./dez. 2016.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Tema 777. Brasília: STF, 2020.

CAHALI, Yussef Said. Responsabilidade civil do estado. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007, p. 264.

CARMO, Jairo Vasconcelos. Da responsabilidade civil do delegatário notarial e de registros públicos. Revista da EMERJ. Rio de Janeiro: EMERJ. V. 9. n. 36, 2006. p. 172.

CARVALHO, Antonio Carlos Alencar. Manual de processo administrativo disciplinar e sindicância: à luz da jurisprudência dos Tribunais e da casuística da Administração Pública. 5. ed. rev. atual. e aum. Belo Horizonte: Fórum, 2016

CASTRO, Demades Mario. A responsabilidade civil dos notários e registradores e a edição da Lei 13.286, de 10 de maio de 2016. Revista de Direito Imobiliário, São Paulo, v. 81, p. 337-361, jul./dez. 2016.

CENEVIVA, Walter. Lei dos notários e dos registradores comentada: Lei nº 8.935/94. São Paulo: Saraiva, 2007.

CLÈVE, Clèmerson Merlin. Criação e extinção de serventias extrajudiciais mediante ato administrativo do Tribunal de Justiça. In: CLÈVE, Clèmerson Merlin. Soluções Práticas – Clève, v. 2, p. 369-398.

CLÈVE, Clèmerson Merlin; SCHIER, Paulo Ricardo. O regime jurídico das serventias extrajudiciais perante a Lei Estadual nº 3.893/02, do Rio de Janeiro. Interesse Público, Porto Alegre, n. 20, p. 44-52, jul./ago. 2003.

DALLEDONE, Rodrigo Fernandes Lima. O processo administrativo disciplinar dos notários e registradores no estado do Paraná. Belo Horizonte: Fórum, 2009.

DALLEDONE, Rodrigo Fernandes Lima. Função pública notarial: regime jurídico e fiscalização judicial. Curitiba: Prismas, 2016.

DIDIER JR., Fredie. Curso de Direito Processual Civil: Introdução ao direito processual civil, parte geral e processo de conhecimento. 20. ed. Salvador: JusPodivm, 2018. DOI: https://doi.org/10.12957/redp.2019.31685

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 33ª ed. São Paulo, Forense: 2020

DIP, Ricardo Henry Marques. Conceito e natureza da responsabilidade disciplinar dos registradores públicos. São Paulo: Quartier Latin, 2017.

DIP, Ricardo Henry Marques. Nótulas sobre a responsabilidade civil e disciplinar dos tabeliães e registradores públicos. Revista de Direito Imobiliário, São Paulo, v. 80, p. 143-150, jan./jul. 2016.

EL DEBS, Martha. Legislação notarial e de registros públicos comentadas: doutrina, jurisprudência e questões de concurso público. Salvador: JusPodivm, 2018.

ENÂNCIO, Denilson Marcondes. Non bis in idem e as sanções administrativas, por improbidade e penal. Revista Trimestral de Direito Público, Belo Horizonte, n. 61, 2015.

FEDERAL, Supremo Tribunal. RMS 33666, Relator: Marco Aurélio, Relator p/ Acórdão: Edson Fachin. Brasília: 21 de setembro de 2016.

JARDIM, Mônica. A “privatização” do notariado em Portugal. Doutrinas Essenciais de Direito Registral, São Paulo, v. 1, p. 397-422, dez. 2011.

JUSTIÇA, Conselho Nacional. PAD - Processo Administrativo Disciplinar 0002542-69.2010.2.00.0000, Relator: Marcelo Nobre. Brasília: 14 de dezembro de 2010.

JUSTIÇA, Conselho Nacional. RA – Recurso Administrativo em RD - Reclamação Disciplinar 0001210-38.2008.2.00.0000, Relator: Gilson Dipp. Brasília: 08 de setembro de 2009.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 39. ed. atual. até a Emenda Constitucional 71, de 29.11.2012. São Paulo: Malheiros, 2013, p. 77 e 83 (atualizada por Délcio Balestero Aleixo e José Emmanuel Burle Filho).

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 33. ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: Malheiros, 2016.

MOLINARO, Carlos Alberto; PANSIERI, Flávio; SARLET, Ingo W.; Comentário ao Art. 236. In: CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; (Coords.). Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013.

PARANÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Apelação no 0001305-98.2014.8.16.0004. Relator: Juiz Subst. 2o Grau Hamilton Rafael Marins Schwartz. Curitiba: 02 de fevereiro de 2022.

PARANÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Apelação no 0035195-42.2017.8.16.0030. Relator: Des. Lidia Matiko Maejima. Curitiba: 22 de fevereiro de 2022.

PARANÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Apelação nº 0002704-22.2017.8.16.0049. Relator: Des. Salvatore Antonio Astuti. Curitiba: 15 de fevereiro de 2021.

PARANÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Apelação nº 0000473-73.2016.8.16.0108. Relator: Juiz Subst. 2º Grau Fernando César Zeni. Curitiba: 08 de fevereiro de 2021.

PARANÁ. Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. MS nº 0000730-69.2016.8.16.0150, Rel. Juíza Angela Maria Machado Costa. Curitiba: 23 de fevereiro de 2018.

Paraná. Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Súmula nº 64. Curitiba: TJPR, 2014.

POLIS, Gustavo; STAFFEN, Márcio Ricardo. Circulação de modelos jurídicos: a influência da corte europeia de direitos humanos na ideia brasileira de razoável duração do processo. Revista Eletrônica Direito e Política, Itajaí, a. 12, n. 2, p. 757-774, maio-ago. 2017.

PORTAL DO RI. CNB/SP: Conheça os 88 países no mundo que adotam o notariado latino. Disponível em: https://www.portaldori.com.br/2018/11/07/cnbsp-conheca-os-88-paises-no-mundo-que-adotam-o-notariado-latino/. Acesso em 06 mar. 2022.

RIBEIRO, Luís Paulo Aliende. Responsabilidade administrativa do notário e do registrador, por ato próprio e por ato de preposto. Revista de Direito Imobiliário, São Paulo, v. 81, p. 401-427, jul./dez. 2016.

SANTA CATARINA. Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina. Apelação nº 0005998-76.1996.8.24.0023. Relator: Des. Júlio César Knoll. Florianópolis: 23 de julho de 2019.

SANTA CATARINA. Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina. Apelação nº 0305906-33.2016.8.24.0020. Relator: Des. Ricardo Roesler. Florianópolis: 12 de junho de 2018.

SILVA, Ovídio Araújo Baptista da. O notariado brasileiro perante a Constituição Federal. Doutrinas Essenciais de Direito Registral, São Paulo, v. 1, p. 1271-1275, dez. 2011.

Supremo Tribunal Federal. ADI 2.602-0/MG, Rel. Min. Eros Grau, j. 24.11.2005, DJ 31.03.2006.

STAFFEN, Marcio Ricardo. Estado, constituição e juizados especiais federais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Apelação nº 70085132447. Relator: Des. Liege Puricelli Pires. Porto Alegre: 25 de agosto de 2018.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Apelação nº 50010291520188210032. Relator: Des. Carlos Eduardo Richinitti. Porto Alegre: 24 de agosto de 2018.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Apelação nº 50003478120198210143. Relator: Des. Jorge Luiz Lopes do Canto. Porto Alegre: 25 de agosto de 2018.

Publicado

14-12-2022

Como Citar

CAZZARO, K.; BLEY SANTOS, R.; ANDRADE, A. R. de . A RESPONSABILIDADE CIVIL DOS AGENTES NOTARIAIS E DE REGISTRO: ENTRE A TEORIA E A PRÁXIS APÓS A FIXAÇÃO DO TEMA 777 FEITO PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL . Revista Eletrônica Direito e Política, [S. l.], v. 17, n. 3, p. 835–856, 2022. DOI: 10.14210/rdp.v17n3.p835-856. Disponível em: https://periodicos.univali.br/index.php/rdp/article/view/19166. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos