• Resumo

    A CONSTRUÇÃO DE UMA NOVA NORMATIVIDADE “IMPERIAL” E O PAPEL DO CONSTITUCIONALISMO NO CONTEXTO DO “IMPÉRIO”

    Data de publicação: 15/09/2022
    O presente trabalho propõe analisar o lugar do constitucionalismo no contexto do “Império” frente à normatividade “imperial” que se constrói a partir das normas técnicas e de gestão (standards e indicadores) que passam a instituir novas ordens normativas para além do Estado e da normatividade estatal (constitucional). Assim, procura-se desvelar o surgimento de novos atores privados e de novos centros de produção e aplicação de normas, bem como, de uma pluralidade normativa, trazendo à luz as suas características ocultas. Dessa forma, se objetiva compreender o processo de interação dessas normatividades com a normatividade constitucional (estatal), respondendo à pergunta sobre o “como” dessa interação, se por meio do diálogo ou da concorrência normativas, apontando o papel e a importância do constitucionalismo para a garantia e concretização dos direitos humanos face à esta normatividade “imperial”.               
  • Referências

    BOLZAN DE MORAIS, Jose Luis (Org). O Estado e Suas Crises. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

    BOLZAN DE MORAIS, José Luis. As Crises do Estado e da Constituição e a Transformação Espaço-Temporal dos Direitos Humanos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

    BOLZAN DE MORAIS, Jose Luis; SALDANHA, Jânia Maria Lopes; VIEIRA, Gustavo Oliveira. O Constitucionalismo e a Internacionalização dos Direitos Humanos. In: BOLZAN DE MORAIS, Jose Luis; NETO; Alfredo Copetti (Org). Estado e Constituição: a internacionalização do direito a partir dos direitos humanos. Ijuí: Unijuí, 2013.

    BOLZAN DE MORAIS, Jose Luis; NETO; Alfredo Copetti (Org). Estado e Constituição: a internacionalização do direito a partir dos direitos humanos. Ijuí: Unijuí, 2013.

    BOLZAN DE MORAIS, Jose Luis; HOFFMAM, Fernando. Por Uma Identidade Constitucional “Comum”. Revista Novos Estudos Jurídicos, Itajaí, Vol. 20, Nº. 3, p. 860-884, Set-Dez 2015.

    BOLZAN DE MORAIS, Jose Luis. O Estado de Direito “Confrontado” Pela “Revolução da Internet”!. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, Santa Maria, V. 13, N. 3, p. 876-903, dez. 2018.

    CRUZ, Paulo Márcio; GLASENAPP, Maikon Cristiano. Estados e os Novos Ambientes Transnacionais. Revista Direitos Fundamentais e Justiça, Porto Alegre, Ano 9, Nº. 31, p. 110-133, Abr-Jun 2015.

    DARDOT, Pierre; LAVAL, Cristian. A Nova Razão do Mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução: Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

    DE JULIOS-CAMPUZANO, Alfonso. Constitucionalismo Em Tempos de Globalização. Tradução: José Luis Bolzan de Morais; Valéria ribas do Nascimento. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2009.

    FRYDMAN, Benoit. A Pragmatic Approach to Global Law. Centre Perelman de Philosophie du Droit, Working Paper, Nº. 2014/6, p. 1-17, 2014.

    FRYDMAN, Benoit. La concurrence normative européenne et globale. Centre Perelman de Philosophie du Droit, Working Paper, Nº. 2016/3, p. 1-19, 2016.

    FRYDMAN, Benoit. O Fim do Estado de Direito: governar por standards e indicadores. Tradução: Mara Beatriz Krug. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018.

    HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Império. Tradução: Berilo Vargas. Rio de Janeiro: Record, 2002.

    HOFFMAM, Fernando. Do Cosmopolitismo Ao “Comumpolitismo” Enquanto Um Novo Ambiente Para os Direitos Humanos na Era do Império. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2019.

    MATTEI, Ugo. A Theory of Imperial Law: A Study on U.S. Hegemony and the Latin Resistance. Indiana Journal of Global Legal Studies, Indiana, V. 10, Iss. 1, p. 383-448, 2003.

    SALDANHA, Jânia Maria Lopes; MELLO, Rafaela da Cruz; LIBERGER, Têmis. Do Governo Por Leis À Governança Por Números: breve análise do Trade in Service Agreement (TISA), Revista de Direito Intermacional, Brasília, V. 13, Nº. 3, p. 337-354, 2016.

    STAFFEN, Márcio Ricardo. Hegemonia e Direito Transnacional. Revista Novos Estudos Jurídicos, Itajaí, Vol. 20, Nº. 3, p. 1166-1187, Set-Dez 2015.

    STRECK, Lenio Luiz; BOLZAN DE MORAIS, José Luis. Ciência Política e Teoria do Estado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2019.

    SUPIOT, Alain. O Espírito de Filadélfia: a justiça social diante do mercado total. Tradução: Tânia do Valle Tschiedel. Porto Alegre: Sulina, 2014.

    TEIXEIRA, Anderson Vichinkeski. Direito Público Transnacional: por uma compreensão sistêmica das esferas transnacionais de regulação jurídica, Revista Novos Estudos Jurídicos, Itajaí, Vol. 19, Nº. 2, p. 400-429, Mai-Ago 2014.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal