O PLURALISMO JURÍDICO E OS MEIOS EXTRAESTATAIS DE ADMINISTRAR CONFLITOS

Autores

  • Fabiana Marion Spengler Docente do curso de Pós Graduação stricto sensu da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC – RS)

DOI:

https://doi.org/10.14210/nej.v26n1.p293-311

Palavras-chave:

Pluralismo jurídico, Estado, Conflito.

Resumo

Diante do cenário de crise das funções estatais o artigo que agora se apresenta possui como tema central o pluralismo jurídico, questionando se é possível existir a regulação autônoma das relações por parte de grupos sociais e se essa pluralidade se origina na retração do Estado e na sua imobilidade face às grandes mudanças produzidas pela modernidade. O objetivo do presente texto é analisar o pluralismo jurídico como possibilidade de regulação autônoma dos grupos sociais, enquanto direito social produzido pela sociedade, muitas vezes alheio ao Estado. Para fins de cumprir com o proposto o método de abordagem utilizado foi o dedutivo e o método de procedimento foi o monográfico. Em linhas gerais, as principais conclusões apontam para o fato de que o pluralismo jurídico é uma das consequências da retração do Estado diante do surgimento de novas forças (paralelas) que fomentam a criação de um direito supra estatal. Então, a tendência é o aumento da organização e da aplicação de regras criadas pelo cidadão objetivando o tratamento de conflitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARNAUD, A.-J. Da regulação pelo direito na era da globalização. Anuário de direito e globalização. A soberania. Programa interdisciplinar Direito e Globalização – UERJ. Coordenação de Celso de Albuquerque Mello. Rio de Janeiro: Renovar, 1999b.

ARNAUD, A.-J. O Direito entre Modernidade e Globalização – Lições de Filosofia do Direito e do Estado. Tradução de Patrice Charles Wuillaume. Rio de Janeiro: Renovar, 1999a.

BAUMAN, Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BOBBIO, N. As ideologias e o poder em crise. Tradução de João Ferreira. 4. ed. Brasília: UnB, 1999.

BOBBIO, N. Pluralismo. In: BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de Política. Tradução Carmen V. Varriale et al. Coordenador e tradutor João Ferreira; revisão geral João Ferreira e Luís Guerreiro Pinto Cascais. 12. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004, p. 240-262.

CAPELLA, J. R. Fruto Proibido: uma aproximação histórico-teórica ao Estudo do Direito e do Estado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2002.

CASSESE, S. La crisi dello Stato. Toma-Bari: Laterza & Figli Spa, 2002.

CASTELLS, M. O poder da identidade. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Tradução de Klauss Brandini Gerhardt. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COUTINHO, C. N. Notas sobre o pluralismo. Conferência apresentada no Encontro Nacional da Associação Brasileira de Ensino do Serviço Social. [S.l.;s.n.], 1990.

EHRLICH, E. Fundamentos da sociologia do direito. Brasília: UnB, 1986.

FARIA, J. E.; KUNTZ, R. Estado, sociedade e direito: qual o futuro dos direitos? Estado, mercado e justiça na reestruturação capitalista. São Paulo: Max Limonada, 2002.

GARCÍA-PELAYO, M. Las transformaciones del Estado contemporâneo. Madrid: Alianza Universidad, 1996.

GERIN, G. La crisi dello Stato Democratico. Padova: CEDAM, 1974.

GROSSI, Paolo. Absolutismo jurídico (ou: da riqueza e da liberdade do historiador do Direito). Revista do Direito GV2. v. 1 n. 2, p. 191-200, Jun- Dez 2005.

GROSSI, Paolo. Da sociedade de sociedades à insularidade do estado entre medievo e idade moderna. Revista Seqüência, n. 55, p. 9-28, dez. 2007.

GURVITCH, G. Tratado de Sociologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Iniciativas Editoriais, 1968.

MARRA, R. Max Webber: razionalità formale e razionalità materiale del diritto. In: Sociologia del diritto. Rivista quadrimestrale fondata da Renato Treves. Università Degli Studi di Milano. Milano, XXXII/2005/2-3, p. 69.

MODUGNO, F. Pluralità degli ordinamenti. In: Enciclopedia del diritto. XXXIV Pluralità -premeditazione. Varese: Giuffrè, 1985, p. 200-270.

MORAIS, J. L. B. de. A idéia de direito social. O pluralismo Jurídico de Georges Gurvitch. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1997.

NISBET, R. Os filósofos sociais. Tradução de Yvette Vieira Pinto de Almeida. Brasília: UnB, 1999.

NISBET, R. Os filósofos sociais. Tradução de Yvette Vieira Pinto de Almeida. Brasília: UnB, 1982.

PREVE, Daniel Ribeiro. Pluralismo jurídico e interculturalidade: os sistemas jurídicos indígenas latino-americanos e as formas alternativas na resolução de conflitos. Santa Cruz do Sul: Essere nel Mondo, 2019.

REALE, M. Teoria do Direito e do Estado. 4. ed. São Paulo: [s. ed.], 1984.

RESTA, E. Diritto Vivente. Roma: Laterza, 2008.

SANTOS, B. de S. O discurso e o poder. Ensaios sobre a sociologia da retórica jurídica. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris, 1988.

SANTOS. Jorge Luis Ribeiro dos. Povos indígenas, Direito e Estado: rompendo cânones do integracionismo jurídico. Revista Novos estudos Jurídicos – NEJ, v. 20, n. 1(jan/abr.2015) DOI: https://doi.org/10.14210/nej.v20n1.p256-283

SPENGLER, Fabiana Marion. Os (des)caminhos do Estado e da Jurisdição. Santa Cruz do Sul: Essere nel Mondo: 2017

STRECK, L. L.; MORAIS, J. L. B. de. Ciência política e teoria geral do Estado. 8. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013.

WOLKMER, A. C. Instituições e pluralismo na formação do direito brasileiro. Teoria do Direito e Estado. (Org. Leonel Severo Rocha). Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris, 1994.

WOLKMER, A.C. Pluralismo jurídico. In: BARRETO, Vicente de Paulo. Dicionário de Filosofia do Direito. Rio de Janeiro/São Leopoldo: Renovar/Editora Unisinos, 2006, p.136-157.

WOLKMER, A.C. Pluralismo jurídico: fundamentos de uma nova cultura no direito. 3. ed. São Paulo: Alfa Omega, 2001.

ZANGHÍ, C. Diritto delle organizzazioni internazionali. Torino: [s. ed.], 2001.

Downloads

Publicado

2021-05-24

Como Citar

SPENGLER, F. M. O PLURALISMO JURÍDICO E OS MEIOS EXTRAESTATAIS DE ADMINISTRAR CONFLITOS. Novos Estudos Jurí­dicos, Itajaí­ (SC), v. 26, n. 1, p. 293–311, 2021. DOI: 10.14210/nej.v26n1.p293-311. Disponível em: https://periodicos.univali.br/index.php/nej/article/view/17586. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos