A EMPRESA DE BENEFÍCIOS EM FACE DO DIREITO EMPRESARIAL AMBIENTAL BRASILEIRO

Autores

  • Celso Antonio Pacheco Fiorillo Professor e Pesquisador dos Programas de Doutorado/Mestrado em Direito Empresarial da UNINOVE
  • Renata Marques Ferreira Coordenadora do Curso de Direito das Faculdades Integradas Rio Branco.

DOI:

https://doi.org/10.14210/nej.v26n1.p25-49

Palavras-chave:

Empresa de benefícios, Direito empresarial ambiental brasileiro, Função social da empresa, Desenvolvimento sustentável.

Resumo

Saudada pela mídia italiana, com anúncios entusiásticos, como uma ferramenta que quer reescrever a economia e tendo como principal objetivo permitir a difusão no ordenamento jurídico itálico de empresas que no exercício da sua atividade económica têm também como objetivo a melhoria do ambiente natural e social em que operam, as denominadas empresas de benefícios, ainda que possam representar a primeira disposição da União Europeia para regulamentar este tipo de sociedade e tornar a Itália o país líder na divulgação de sociedades de benefício comum, não revelam, salvo melhor juízo, qualquer contribuição significativa para o direito empresarial ambiental brasileiro. Assim, embora guardando em certa medida compatibilidade com os principais vetores ambientais constitucionais que estruturam todas as empresas no Brasil, conforme demonstrado no presente trabalho, e mesmo representando um interessante avanço em proveito do desenvolvimento sustentável em face do  balizamento normativo que sempre condicionou uma empresa tradicional geralmente definida para maximizar tão somente o lucro para os acionistas, as denominadas empresas de benefícios revelam objetivamente tímida contribuição normativa em face de nosso bem elaborado balizamento que condiciona todas as atividades econômicas no plano constitucional.

Referências

BONFANTE, Pietro Lezioni di. Storia del commercio: Era moderna. Oceânica: A. Giuffrè, 1982.

BULGARELLI, Waldírio. A Teoria Jurídica da Empresa: análise jurídica da empresarialidade. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1985.

CABRILLO, Francisco. La economía del desarrollo en el siglo XXI - El desafío actual consiste en extender el progreso a aquellos países y a aquellas personas que todavía hoy viven en condiciones lamentables. Nueva Revista, 2009.

CALAGNA, Francesca. La nuova disciplina della “Società Benefit”: profili normativi e incertezze applicative. Rivista di Diritto Societario. Vol. 3. 2016.

COASE, R.H. The problem os social cost. The Journal of Law and Economics. Vol. 3, Number ct., 1960. DOI: https://doi.org/10.1086/466560

COMPARATO, Fábio Konder. A reforma da empresa. RDM, n. 50, 1983.

COMPARATO, Fábio Konder. Estado, Empresa e Função Social. São Paulo: Revista dos Tribunais, vol. 732, 1996.

DODD, Jr. E. Merrick For Whom Are Corporate Managers Trustees? Harvard Law Review Vol. 45, nº. 8, maio de 1932. DOI: https://doi.org/10.2307/1331920

ENDERS, Armelle; FERREIRA, Marieta de Moraes; FRANCO, Renato. História em Curso Da antiguidade à Globalização. São Paulo: Editora do Brasil; Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 2008.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. in Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 21ª edição São Paulo: Editora Saraiva, 2021.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. in Curso de Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Editora Saraiva, 2000.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco; FERREIRA, Renata Marques. Direito Empresarial Ambiental Brasileiro e sua delimitação constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2020.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco; FERREIRA, Renata Marques. Liberdade Econômica (lei 13.874/19) em face do direito ambiental constitucional brasileiro: o enquadramento jurídico das atividades econômicas vinculadas ao desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2020.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco; FERREIRA, Renata Marques. Atividades Econômicas Sustentáveis e Função Social da Empresa em Face do Direito Ambiental Constitucional Brasileiro. RJLB - Revista Jurídica Luso-Brasileira, vol. 2, p. 1143-1171, 2019.

FREEMAN, R. Edward. Stockholders and Stakeholders: A New Perspective on Corporate Governance. California Management Review. (pre-1986); Spring 1983. DOI: https://doi.org/10.2307/41165018

FRIGNANI, A.; VIRANO, P. Le società benefit: luci e ombre. Giappichelli Editore, 2018.

GHIDINI, Mario. Lineamenti del Diritto Del’Impresa. Milão: Giuffrè; 1978.

GRAU, Eros Roberto. Comentários ao artigo 170. in Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2013.

GUTIÉRREZ, Carlos Gómez. El desarrollo sostenible: conceptos básicos, alcance y criterios para su evaluación. https://en.unesco.org/, 2017.

HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

HESSE, Konrad. Elementos de Direito Constitucional da República Federal da Alemanha. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1998.

KRUJA, Alba. Sustainable Economic Development, a Necessity of the 21st Century Mediterranean. Rome (Italy), Journal of Social Sciences MCSER Publishing, Vol. 4, nº. 10 October 2013. DOI: https://doi.org/10.5901/mjss.2013.v4n10p93

LEITE, Antonio Dias. A Economia Brasileira: de onde viemos e onde estamos. 2ª edição, Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

NERY, Rosa. Vínculo obrigacional: relação jurídica de razão (Técnica e ciência de proporção), tese de livre-docência, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2004.

ONU. Nosso Futuro Comum. 2ª edição, Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1991.

REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial. 8ª edição, São Paulo: Saraiva, 1977.

RODRIGUES JUNIOR, Otavio Luiz. A influência do BGB e da doutrina alemã no direito civil brasileiro do século XX. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

SANDRONI, Paulo. Novíssimo Dicionário de Economia. São Paulo: Best Seller, 1999.

WIEACKER, Franz. História do Direito Privado Moderno Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Como Citar

FIORILLO, C. A. P.; FERREIRA, R. M. A EMPRESA DE BENEFÍCIOS EM FACE DO DIREITO EMPRESARIAL AMBIENTAL BRASILEIRO. Novos Estudos Jurí­dicos, Itajaí­ (SC), v. 26, n. 1, p. 25–49, 2021. DOI: 10.14210/nej.v26n1.p25-49. Disponível em: https://periodicos.univali.br/index.php/nej/article/view/17549. Acesso em: 27 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos