• Resumo

    NEM TECNOFILIA OU TECNOFOBIA: CONTRIBUTOS PARA UM DISCURSO CONVERGENTE A EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE

    Data de publicação: 20/12/2023

    Contextualização: O desenvolvimento tecnológico assumiu dimensão existencial inédita na vida humana, tem ampliado fronteiras e transformado as relações interpessoais e de poder. As transformações tecnológicas, como um dos mais importantes fenômenos da história humana, prospectam utopias e distopias e os reflexos nas relações jurídicas são da mais variada ordem. O artigo tem foco na investigação das mudanças impulsionadas pela tecnologia nos direitos da personalidade.

    Objetivo: O objetivo da pesquisa consiste em analisar, nos textos jurídicos-científicos, a intersecção entre os direitos da personalidade e a tecnologia, com vistas a mapear por qual viés científico a tecnologia é apresentada nos estudos, de modo a contribuir para um discurso científico capaz de compor caminhos para efetivação dos direitos da personalidade.

    Método: Consolida-se na aplicação da técnica de pesquisa consistente na revisão sistemática da literatura e utilização do método indutivo. Para definição do protocolo de pesquisa parte-se da pergunta norteadora: qual espaço as pesquisas envolvendo os direitos da personalidade ocuparão nas narrativas do século XXI? Os domínios da literatura são: direitos da personalidade e tecnologia, pesquisados nas bases de dados EBSCOhost e Scielo.

    Resultados: Como resultados, destacam-se a intersecção de várias temáticas como: proteção de dados pessoais, inteligência artificial, acesso à justiça, biodireito, direito ao esquecimento e arrependimento digital. Assim, tecnologia orientada pela ética e o sentido ampliado dos direitos da personalidade assumem evidência.

     

  • Referências

    AMORIM, Hellen Marinho; CARDOSO, Renato César. O ciborgue no limiar da humanidade: redefinindo a pessoa natural. Revista de Bioética y Derecho. n. 46. Barcelona, out. 2019. Disponível em: . Acesso em: 10, mai. 2021.

    BORGMANN, Albert. La tecnología y la búsqueda de la felicidad. Philosophy Faculty Publications. v. 2. n. 5. p. 81-93. Montana, jun. 2005. Disponível em: . Acesso em: 09, mai. 2021.

    DENYER, D.; TRANFIELD, D. Producing a systematic review. In Buchanan, D.A.; BRYMAN, A. (eds.). The Sage Handbook of Organizational Research Methods. London: Sage Publications, 2009.

    FEENBERG, Andrew. O que é a Filosofia da Tecnologia? Conferência pronunciada para os estudantes universitários de Komaba, jun, 2003, sob o título de “What is Philosophy of Technology?” Tradução de Agustín Apaza, rev. Newton Ramos de Oliveira. Disponível em: <*Portug_O_que_é_a_Filosofia_da_Tecnologia (sfu.ca)>. Acesso em: 08, mai. 2021.

    FEENBERG, Andrew. Do essencialismo ao construtivismo a filosofia da tecnologia numa encruzilhada. São Carlos: UFSCar, 2003a. Disponível em: . Acesso em: 08, mai. 2021.

    FEENBERG, A. Ciencia, tecnología y democracia: distinciones y conexiones. Scientiae studia, v. 7, n. 1, p. 63-81, São Paulo, 2009. Disponível em: <00_Intro_rosto.pmd (scielo.br)>. Acesso em: 08, mai. 2021.

    GIACOIA JUNIOR, Oswaldo. Hans Jonas: Por que a técnica moderna é um objeto para a ética. Natureza Humana. Departamento de Filosofia – IFCH/Unicamp. v. 1, n. 2. p. 407-420. 1999.

    GNAP, Ana Paula. Os limites da publicidade no processo judicial e os direitos da personalidade face aos dados sensíveis. Aplicação subsidiária da lei geral de proteção de dados nº 13.709/2018. Revista Percurso. Curitiba, v. 1. n. 32, p. 283-287. 2020.

    GOGLIANO, Daisy. Direitos Privados da Personalidade. São Paulo: Quartier Latin, 2013.

    GUNTHER, Luiz Eduardo; COMAR, Rodrigo Thomazinho; RODRIGUES, Luciano Ehlke. Proteção jurídica dos direitos à privacidade e à intimidade diante das novas tecnologias informáticas. Relações Internacionais no Mundo, v. 2, n. 27, p. 1-17. jun, 2020.

    MEIRA JUNIOR, José Julberto; DE CRISTO, Viviane Duarte Couto; MACHADO, Telma Regina.“Direito ao esquecimento”: a harmonização dos princípios constitucionais da liberdade de expressão e do direito à informação com os princípios da dignidade humana e da inviolabilidade da honra e da intimidade. Revista Percurso, v. 2, n. 21, p. 13-19. 2017.

    MEJÍAS, Ignacio Domínguez. Hacia la memoria selectiva en Internet. Honor, intimidad y propia imagen en la era digital a partir de la jurisprudencia española. Revista Iberoamericana de Ciencia Tecnología y Sociedad. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, mai, 2016, v. 11, n. 32. p. 49-69. Disponível em: . Acesso em: 08, mai. 2021.

    MONTESCHIO, Horácio. Direito à vida e integridade física e questões sobre autonomia privada, biodireito e o transplante de órgãos e tecidos “inter vivos”. Revista Jurídica, v. 34, n. 1, p. 178-200. 2014.

    MORAES, Maria Celina Bodin de. Ampliando os direitos da personalidade. Revista de Saúde Pública, v. 41, n. 5, p. 1-20. 2007.

    OLIVEIRA, Francisco Cardozo; SILVA, Lucas Gonçalves da; CURY, Jacqueline Taís Menezes Paez. Proteção jurídica dos direitos à privacidade e à intimidade diante das novas tecnologias informáticas. Relações Internacionais no Mundo, v. 3, n. 27, p. 1-21. 2019.

    OLIVEIRA, Jelson Roberto de. Niilismo e tecnologia. Unisinos Journal of Philosophy, n. 21. p. 72-78. jan/apr 2020.

    PESCAROLO, Carina; ZAGONEL, Marina. Há privacidade na sociedade da informação? Uma análise à luz do princípio da dignidade humana e das redes sociais. Revista Percurso, v. 1, n. 28, p. 156-182. 2019.

    SARLET, Ingo Wolfgang. Proteção da personalidade no ambiente digital: uma análise à luz do caso do assim chamado direito ao esquecimento no Brasil. Espaço Jurídico: Journal of Law, v. 19, n. 2, p. 491-530. mai-ago 2018.

    SCHWAB, Klaus. A quarta revolução industrial. Tradução de Daniel Moreira Miranda. São Paulo: Edipro, 2016.

    SIQUEIRA, Dirceu Pereira; LARA, Fernanda Corrêa Pavesi; LIMA, Henriqueta Fernanda C. A. F. Acesso à justiça em tempos de pandemia e os reflexos nos direitos da personalidade. Revista da Faculdade de Direito da Uerj, n. 38, p. 25-41. Dec. 2020.

    SIQUEIRA, Dirceu Pereira; LARA, Fernanda Corrêa Pavesi. Quarta revolução industrial, inteligência artificial e a proteção do homem no direito brasileiro. Revista Meritum, v. 15, n. 4, p. 300-311, Belo Horizonte, 2020a. Disponível em: < file:///C:/Users/Fernanda%20Pavesi/Downloads/8223-Texto%20do%20Artigo-24454-1-10-20210107%20(1).pdf>. Acesso em: 10 maio 2021.

    SIQUEIRA, D. P.; OLIVEIRA, E. A.; ZANINI, L. E. A.; FRANCO JR., R. M. Os direitos da personalidade em face da dicotomia direito público-direito privado. Revista de Direito Brasileira, v. 19, p. 208-220, 2018.

    SOUZA, Patrícia Verônica Nunes Carvalho Sobral de. FACHIN, Zulmar. O princípio da dignidade da pessoa humana como fundamento para o Estado Contemporâneo: um olhar sob o viés dos Direitos da Personalidade. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas (Unifafibe), [S.L.], v. 7. n. 3, p. 311-340, 11 nov. 2019.

    TRANFIELD, D.; DENYER, D.; SMART, P. Towards a methodology for developing evidence-informed management knowledge by means of systematic review. British Journal of Management, v.14, p. 207-222, 2003.

    ZENNI, Alessandro Severino Valler; RIBEIRO, Daniela Menengoti Gonçalves; AIRES, Fernanda Diniz. A tutela do embrião in vitro na Convenção Americana de Direitos Humanos: uma interpretação da Corte Interamericana de Direitos Humanos. Quaestio Iuris (QI), v. 11, n. 2, p. 737-756. 2018.

    WOLOWSKI, Matheus Ribeiro de Oliveira; CARDIN, Valéria Silva Galdino.A tutela normativa dos direitos da personalidade frente aos avanços da inteligência artificial. Revista de Direito, Governança e Novas Tecnologias. Encontro Virtual, v. 6, n. 2, p. 43-64. Jul/Dez. 2020.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal