• Resumo

    AUTONOMIA DECISÓRIA E RESPONSABILIDADE CIVIL DA ANVISANO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO EXECUTIVA

    Data de publicação: 30/12/2021

    Contextualização do tema:Será analisada a competência da ANVISA no âmbito da sua autonomia decisória e da função regulatória executiva, de modo a perquirir pela juridicidade ou não da aplicação das regras gerais de responsabilidade civil extracontratual estatal.

    Objetivos:Este artigo tem por objetivo pesquisar o desenvolvimento da governança da vigilância sanitária nacional até a criação da ANVISA. 

    Metodologia:  metodologia utilizada no desenvolvimento da pesquisa será hipotética-dedutiva, a partir do confronto com o ordenamento jurídico vigente e a literatura especializada.

    Resultados: Considerando que a primeira agência reguladora independente brasileira surgiu em 1996, estes entes estatais, nos quais se inclui a ANVISA, acabaram sendo rotulados por parte da doutrina como uma nova entidade de direito público. Contudo, e no que se refere à sua natureza jurídica, as agências reguladoras são criadas sob a forma de autarquias integrantes da administração pública indireta, que estão previstas em nosso ordenamento jurídico desde 1943.

  • Referências

    ARAGÃO, Alexandre Santos de. Agências reguladoras e a evolução do direito administrativo econômico. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

    ARAGÃO, Alexandre Santos de. As agências reguladoras independentes e a separação dos poderes: uma contribuição da teoria dos ordenamentos setoriais. Revista dos Tribunais, São Paulo, v. 786, p. 11-56, abr. 2001.

    BALDWIN, Robert; CAVE, Martin; LODGE, Martin. Understanding Regulation. Theory, Strategy, and Practice. 2nd. Ed. Oxford: OUP, 2012.

    BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de direito administrativo. 14. ed. São Paulo: Malheiros, 2002.

    CAHALI, Yussef Said. Responsabilidade Civil: doutrina e jurisprudência. 2a ed. São Paulo: Saraiva, 1988.

    CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de responsabilidade civil. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 2003.

    CRETELLA JÚNIOR, José. Direito Administrativo Brasileiro. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

    CRETELLA JÚNIOR, José. Definição da tutela administrativa. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. p. 28-40, abr./jun. 1969.

    DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 20. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

    GASPARINI, Diógenes. Direito administrativo. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

    GUERRA, Sérgio. Agências reguladoras: da organização administrativa piramidal à governança em rede. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2021.

    GUERRA, Sérgio. Controle judicial dos atos regulatórios. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.

    GUERRA, Sérgio. Discricionariedade, regulação e reflexividade: uma nova teoria sobre as escolhas administrativas. 6. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2021.

    GUERRA, Sérgio. Limites normativos da ANVISA: a inconstitucionalidade da RDC nº 25/2008 sobre recursos administrativos. In. Parcerias público-privadas de medicamentos (PDPS). Sérgio de Regina (Coord.) Belo Horizonte: Fórum, 2013.

    JUSTEN FILHO, Marçal. O direito das agências reguladoras independentes. São Paulo: Dialética, 2002.

    JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de direito administrativo. 13. ed. São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2018.

    MARQUES NETO, Floriano de Azevedo. Agências reguladoras independentes: fundamentos e seu regime jurídico. Belo Horizonte: Fórum, 2005.

    MARQUES NETO, Floriano de Azevedo. A nova regulação estatal e as agências independentes. In: SUNDFELD, Carlos Ari (Org.). Direito administrativo econômico. São Paulo: Malheiros, 2000.

    MEDAUAR, Odete. Direito administrativo moderno. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2001.

    MATTOS, Paulo. O novo estado regulador no Brasil. São Paulo: Singular, 2006.

    MOREIRA, Vital. Por uma regulação ao serviço da economia de mercado e do interesse público: a “declaração de condeixa”. Revista de Direito Público da Economia – RDPE, Belo Horizonte, n. 01, p. 252, 253, jan./mar. 2003.

    MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Direito regulatório: a alternativa participativa e flexível para a Administração Pública de relações setoriais complexas no Estado democrático. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

    POSNER, Richard A. Theories of economic regulation. The Bell Journal of Economics and Management Science, v. 5, n. 2 (Autumn, 1974). p. 335-358.

    RAMALHO, Pedro Ivo Sebba. Insulamento burocrático, accountability e transparência: dez anos de regulação da Agência Reguladora de Vigilância Sanitária. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 60, n. 4, p. 337-364, out./dez. 2009.

    RIVERO, Jean. Direito administrativo. Coimbra: Almedina, 1981.

    ROSAS, Roberto. Do abuso do direito ao abuso do poder. Revista do Instituto dos Advogados de São Paulo, v. 22. p. 910, jul/dez. 2008.

    SOUTO, Marcos Juruena Villela. Desestatização: privatização, concessões, terceirizações e regulação. 4. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2001.

    SOUTO, Marcos Juruena Villela. Direito administrativo regulatório. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002.

    STIGLER, George J. The theory of economic regulation. v. 2. The Bell Journal of Economics and Management Science. v. 3, 1971.

    SUNSTEIN, Cass R. After the rights revolution: reconceiving the regulatory state. MA: Harvard University Press, 1990.

    TÁCITO, Caio. Competência ministerial para suspensão de julgamento de concorrência em empresa pública sob sua supervisão. Revista de Direito da Procuradoria Geral, Rio de Janeiro, n. 43, p. 27-28, 1991.

    TORRES, Ricardo Lobo. Tratado de direito constitucional financeiro e tributário. v.2. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

    WILLEMAN, Flávio de Araújo. Responsabilidade civil das agências reguladoras. 4ª. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2020.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal