• Resumo

    SOBRE A SOBERANIA E A GOVERNANÇA: ITINERÁRIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE NOVOS CONCEITOS

    Data de publicação: 27/06/2022

    Contextualização: De acordo com a literatura tradicional, a soberania indica poder, especificamente, o poder exclusivo do Estado de criar o seu direito. Todavia, na atualidade, essa ideia começa a perder fôlego dando lugar a novas institucionalidades estabelecidas por meio de mecanismos de governança e soft law.

    Objetivo: Através dos itinerários percorridos pela soberania para a evolução do seu conceito, analisa-se essa construção teórica, objetivando-se identificar a soberania contemporânea, a fim de compreender como e em que medida o jogo de forças entre soberania e governança as transforma.

    Metodologia: A pesquisa utiliza método dedutivo e procedimento de revisão bibliográfica.

    Resultado: Revela-se uma incompatibilidade entre o cabedal teórico existente sobre a soberania e o seu conteúdo prático, elevando a governança a um conceito que lhe é análogo e, por fim, demonstrando que paralelamente ao Estado, outros sujeitos passam a compor a soberania, firmando um novo entendimento com a soberania estatal democrática.

  • Referências

    ALVES, Angela Limongi Alvarenga. Limites e potencialidades da soberania estatal na pós-modernidade. Tese (Doutorado em Direito). Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2017.

    AMARAL JÚNIOR, Alberto do. Curso de direito internacional público. São Paulo: Atlas, 2011.

    ARNAUD, André-Jean. De la régulation par le doit à l’heure de la globalisation: quelques observations critiques. Revue Droit et Societé, Paris, n. 35. p. 11-35, 1997.

    ARNAUD, André-Jean. La governance: un outil de participation. Paris: LGDJ, 2014.

    BARROS, Alberto Ribeiro. O conceito de soberania no Methodus de Jean Bodin. In: Revista Discurso. v. 27. São Paulo: FFLCH/USP, 1996.

    BODIN, Jean. Les six livres de la République. Paris: Fayard, 1986.

    CAMPILONGO, Celso Fernandes. Interpretação do direito e movimentos sociais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

    CARRÉ DE MALBERG, Raymond. Contribution a la théorie générale de l’État. Paris: Dalloz, 2004.

    CARVALHAL, Ana Paula Zavarize. Constitucionalismo em temos de globalização: a soberania nacional em risco? Tese (Doutorado em Direito). Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. São Paulo: USP, 2014.

    CASSESE, Sabino. A crise do Estado. São Paulo: Saberes, 2010.

    CHEVALLIER, Jacques. O Estado pós-moderno. Belo Horizonte: Forum, 2009.

    DAHL, Robert. The concept of power. Behavioral Science, 1957.

    FARIA, José Eduardo. O direito na economia globalizada. São Paulo: Malheiros, 2004.

    FARIA, José Eduardo. Sociologia jurídica: direito e conjuntura. Série GVLaw. São Paulo: Saraiva, 2011.

    FERRAJOLI, Luigi. A soberania no mundo moderno: nascimento e crise do Estado nacional. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

    FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Princípios fundamentais do direito constitucional. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

    GONÇALVES, Alcindo. Governança global e o direito internacional público. In: JUBILUT, Liliana Lyra. Direito internacional atual. São Paulo: Elsevier, 2014.

    GONÇALVES, Alcindo. O conceito de governança. In: Anais do XIV do Congresso Nacional do Conpedi. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2005.

    GOYARD-FABRE, Simone. Os princípios filosóficos do pensamento político moderno. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

    HELD, David. Democracy and the global order: from the modern State to cosmopolitan governance. Stanford: Stanford University Press, 1995.

    HELD, David; HALE, Thomas. Editor’s introduction. In: HELD, David; HALE, Thomas. The handbook of transnational governance: institutions and innovations. Cambridge: Polity Press, 2011.

    JELLINEK, Georg. Teoría general del Estado. Ciudad de México: Fondo de Cultura Económica, 2012.

    JUBILUT, Liliana Lyra. O conceito de soberania: modificações e responsabilidade. In: FRANCA FILHO, Marcílio Toscano; MIALHE, Jorge; JOB, Ulisses. Epitácio Pessoa e a codificação do direito internacional. Porto Alegre: Fabris, 2013.

    JUBILUT, Liliana Lyra. Os fundamentos do direito internacional contemporâneo: da coexistência aos valores compartilhados. Anuário Brasileiro de Direito Internacional, 2010.

    KRASNER, Stephen. Problematic sovereignty: contested rules and political possibilities. New York: Columbia University Press, 2001.

    KRASNER, Stephen. Soberanía: hipocresía organizada. Barcelona: Ediciones Paidós Iberica, 2001.

    KRITSCH, Raquel. Soberania: a construção de um conceito. São Paulo: Humanitas, 2002.

    LEWANDOWSKI, Enrique Ricardo. Globalização, regionalização e soberania. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2004.

    MAGALHÃES, José Luís Quadros. Estado moderno, direito à diversidade e pluralismo epistemológico. In: JUBILUT, Liliana Lyra; BAHIA, Alexandre Gustavo Melo Franco; MAGALHÃES, José Luís Quadros. Direito à diferença. São Paulo: Saraiva, 2013.

    MARTIN, Nilton Cano; SANTOS, Lílian Regina dos; DIAS FILHO, José Maria. Governança empresarial, riscos e controles internos: a emergência de um novo modelo e controladoria. Revista Contabilidade & Finanças USP, São Paulo, v. 15. n. 34. P. 7-22. Jan-abril 2004.

    MATTEUCCI, Nicola. Constitucionalismo verbete. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília: UnB, 1998.

    MATTEUCCI, Nicola. Contratualismo verbete. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília: UnB, 1998.

    MATTEUCCI, Nicola. Soberania verbete. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. 11. ed. Brasília: Unb, 1998.

    McCANN, Michael. Law and social movements. Washington: Ashgate Publishing, 2006. p. xiii.

    MENEZES, Wagner. Ordem global e transnormatividade. Ijuí: Unijuí, 2005.

    NASSER, Salem Hikmat. Fontes e normas do direito internacional: um estudo sobre a soft law. 2 ed. São Paulo: Altas, 2006.

    ORTIZ, Renato. Mundialização, cultura e política. In: DOWBOR, Ladislau; IANNI, Octávio; RESENDE, Paulo-Edgar. Desafios da globalização. Petrópolis: Vozes, 1997.

    PAUPÉRIO, Arthur Machado. O conceito polêmico de soberania. Rio de Janeiro: Forense, 1955.

    PIKETTY, Thomas. O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

    RABELO, Flávio; SILVEIRA, Maria José. Estruturas de governança e governança corporativa: avançando na direção da integração entre as dimensões competitivas e financeiras. Revista IE UNICAMP, Campinas, n. 77, p. 1-24. Jul 1999.

    RANIERI, Nina. Estado e nação: novas relações? In: CLÈVE, Clèmerson Merlin; BARROSO, Luís Roberto. Doutrinas essenciais de direito constitucional: teoria geral do Estado. São Paulo: RT, 2011.

    RANIERI, Nina. Teoria do Estado: do Estado de Direito ao Estado Democrático de Direito. Barueri: Manole, 2013.

    REALE, Miguel. Teoria do direito e do Estado. São Paulo: Saraiva: 2000.

    ROSENAU, James Nathan. Governance, order and change in world politics. In: ROSENAU, James Nathan; CZEMPIE, Ernst Otto. Governance without government: order and change in world politics. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

    ROSENCRANCE, Richard. Débat sur l’État virtuel. Paris: Presses de Sciences Po, 2002.

    ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do contrato social. São Paulo: Martin Claret, 2007.

    SIEYÈS, Emmanuel Joseph. O que é o terceiro estado? Rio de Janeiro: Liber Juris, 1988.

    STELZER, Joana. O fenômeno da transnacionalização da dimensão jurídica. In: STELZER, Joana; CRUZ, Paulo Márcio. Direito e transnacionalidade. Curitiba: Juruá, 2009.

    TOSTES, Ana Paula. União europeia: o poder político do direito. Rio de Janeiro: Renovar, 2004.

    VAN KLEFFENS. Sovereignty in international law. Collected courses of the Hage Academy of International Law. v. 82. 1953.

    VEIGA, José Eli da. A desgovernança mundial da sustentabilidade. São Paulo: Editora 34, 2013.

    VIEIRA, Andréia Costa. O direito internacional e as relações internacionais moldados por uma nova estrutura de governança global e regimes internacionais. In: JUBILUT, Liliana Lyra. Direito internacional atual. São Paulo: Elsevier, 2014.

    VILLAS BOAS FILHO, Orlando. O impacto da governança sobre a relação jurídica contemporânea: uma abordagem a partir de André-Jean Arnaud. Revista Redes, Canoas, v. 4. n.1. p. 145-171, 2016.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal