• Resumo

    VOTOS DISSONANTES: A DESARMONIA NAS DECISÕES COLEGIADAS DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

    Data de publicação: 13/05/2020

    Este artigo trata da deliberação no Supremo Tribunal Federal a partir da descrição de seu processo decisório. Procura-se demonstrar que o processo deliberativo do STF tem sido insuficiente para harmonizar os debates de seus 11 ministros, resultando num inevitável impasse. Inicialmente são detalhadas as regras institucionais que atribuem poderes ao relator (como o poder de agenda e de elaboração da ementa) e que organizam as sessões de julgamento e a formação do acórdão. Segue-se uma análise de seus efeitos, destacando as incongruências entre o que consta nos acórdãos e o que de fato restou documentado nas transcrições dos debates e votos individuais dos membros do Tribunal em dois processos relacionados, a ADPF 130 e a Reclamação 9.428/DF.

  • Referências

    AMORIM NETO, Octavio; COX, Gary W. & MCCUBBINS, Mathew D. Agenda Power in Brazil’s Câmara dos Deputados,1989-98. World Politics, v. 55, n. 4, p. 550-578, 2003. Disponível em: < http://journals.cambridge.org/action/displayAbstract?fromPage=online&aid =7610864&fileId=S0043887100006158>. Acesso em: 22 set. 2017.

    ARENDT, Hannah. Eichman em Jerusalém: Um relato sobre a banalidade do mal. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

    CARVALHO, Luiz Maklouf. Data Venia, O Supremo - O Supremo, quousque tandem? Piauí, v. 4, n. 48, p. 34-41, 2010. Disponível em: <http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-48/questoes-juridicas/o-supremo-quousque-tandem>. Acesso em: 30 mai. 2017.

    KLAFKE, Guilherme Forma. Vícios no processo decisório do Supremo Tribunal Federal. Monografia (especialização) em Direito Público. São Paulo: SBDP, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2017.

    MATTIUZZO, Marcela. Voto vencido, fundamentação diversa e fundamentação complementar: Um estudo sobre deliberação no supremo tribunal federal. Monografia (especialização) em Direito Público. São Paulo: SBDP, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2017.

    MENDES, Conrado Hübner. Direitos fundamentais, separação de poderes e deliberação. Tese (doutorado) em Ciência Política. São Paulo: USP, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2017.

    ________. Sessão de leitura no STF. Folha de São Paulo. São Paulo, 05 de outubro de 2010. Tendências/Debates, p. 3. Disponível em: <http://bit.ly/1NKmAWo>. Acesso em: 22 set. 2017.

    METZLER, J. B. Musik um uns: Für den Kursunterricht in Klasse 11. 2. ed. Stuttgart: Poeschel Verlag, 1991.

    MOREIRA, Izabel Rosa. Diversidade sexual como direito fundamental: o reconhecimento jurídico da homoafetividade no Brasil. Curitiba: Juruá, 2015.

    NADELMANN, Kurt H. The Judicial Dissent: Publication v. Secrecy. The American Journal of Comparative Law, v. 8, n. 4, p. 415-432, 1959.

    PEREIRA, Saylon Alves. Os pedidos de vista no supremo tribunal federal: uma análise quantitativa nos casos de controle concentrado de constitucionalidade. Monografia (especialização) em Direito Público. São Paulo: SBDP, 2010. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2017.

    RODRIGUEZ, José Rodrigo. Sobre a Qualidade da Jurisdição: Fundamentação das Sentenças, Justiça Opinativa e

    Luta pela Justificação no Direito Brasileiro Contemporâneo. Texto apresentado no Núcleo de Constitucionalismo e Democracia do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFPR, 2011.

    SCHOENBERG, Arnold. Harmonia. Trad. Marden Maluf. São Paulo: Unesp, 2001.

    SILVA, Virgílio Afonso da. STF, Deliberação, Diálogo e Razão Pública. Revista de Direito Administrativo (RDA), v. 250, p. 197-227, 2009. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/4144>. Acesso em: 10 jul. 2017.

    TRAGTENBERG, Lívio. Contraponto: uma arte de compor. 2. ed. São Paulo: EdUSP, 2002.

    VALE, André Rufino do. É preciso repensar a deliberação no Supremo Tribunal Federal. Revista Consultor Jurídico [online], 2014. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2017.

    VIEIRA, Oscar Vilhena. Supremocracia. Rev. Direito GV, v.4, n. 2, p. 441-463, 2008. Disponível em: <http://dx.doi. org/10.1590/S1808-24322008000200005>. Acesso em: 20 set. 2017.

    VOJVODIC, Adriana de Moraes; MACHADO, Ana Mara França; CARDOSO, Evorah Lusci Costa. Escrevendo um romance, primeiro capítulo: precedentes e processo decisório no STF. Rev. direito GV, v. 5, n. 1, p. 21-44, 2009. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1808-24322009000100002>. Acesso em: 12 set. 2017.

Novos Estudos Jurí­dicos

A revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ), Qualis A1 Direito, é um periódico científico quadrimestral, com publicações ininterruptas desde 1995, nos meses de Abril, Agosto e Dezembro. Sua missão é promover o aprimoramento dos estudos na área do Direito, especialmente nas seguintes linhas: “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”.

A NEJ é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

O periódico oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento. 

A visão da revista Novos Estudo Jurídicos (NEJ) consiste na publicação de artigos e relatos de pesquisas inéditos de autoria de docentes, discentes e pesquisadores, estimulando os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas que compõem sua Linha Editorial.

Access journal