• Resumo

    A NATUREZA DO PODER EM CONDOMÍNIO

    Data de publicação: 29/08/2023

    Contextualização: Diante da pandemia ocasionada pelo coronavírus, muito se discutiu a respeito das atribuições do síndico e suas prerrogativas em situações emergenciais, no entanto, a análise da questão apenas pela legislação disponível não parece ser suficiente para que se compreenda as atribuições do condomínio em sua regulação, é necessária uma reflexão profunda que permita identificar a verdadeira natureza do poder em condomínio sob um aspecto histórico e filosófico.

    Objetivo: A intenção é oferecer uma visão do poder em condomínio como uma centelha dos poderes da República, observando que dentro deste conjunto maior, há outros subconjuntos organizados em Estados e Cidades, havendo ainda no condomínio um resquício destes poderes, como a capacidade de autorregulação pela convenção de condomínio, escolhendo representantes e conselhos por meio de manifestações democráticas em um ambiente privado.

    Metodologia: o artigo está dividido nos seguintes elementos: a) um levantamento rápido acerca do histórico da sustentabilidade principalmente desde o século 20; b) os desafios do ODS 4 (educação de qualidade) no Brasil; c) A metodologia adotada na pesquisa; d) os dilemas da educação no município de Caçador, principalmente no Ensino Médio, e) alguns gráficos resultantes da pesquisa desenvolvida e f) considerações finais. É precípuo apresentar que a pesquisa aqui apresentada teve caráter metodológico bibliográfico, com análise quanti-qualitativa de dados.

    Resultados: Se conclui que a República seria o conjunto principal, contendo a União, Estados, Distrito Federal, Municípios e Condomínios Edilícios em subconjuntos próprios sucessivos. Evidenciando a associação jusfilosófica do Condomínio Edilício com um microssistema jurídico democrático, com características próprias de legislação e eleição, com poderes legislativos na deliberação de seus membros para sua autorregulação, e poderes executivos personificados na figura do síndico, demonstrando inclusive sua capacidade de atuar em momentos de crise a favor dos interesses comuns.

  • Referências

    ABRAHÃO, Marcela Rosa. As Restrições aos Direitos Fundamentais por Ato Normativo do Poder Executivo. São Paulo: Almedina Brasil, 2017.

    AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. São Paulo: Boitempo, 2004.

    BOBBIO, Norberto. O Positivismo Jurídico: Lições de Filosofia do Direito. São Paulo: Ícone, 1995.

    CANETTI, Elias. Massa e Poder. Tradução: Sérgio Tellarolli. São Paulo: Schwarcz Ltda, 2009.

    ELIAS FILHO, Rubens Carmo. Condomínio Edilício: Aspectos de Direito Material e Processual. São Paulo: Atlas S.A., 2015.

    GERBRAN, Raimunda Abou. OLIVEIRA, Patrícia Zaccarelli. O Profissional Docente do Direito: Refletindo sobre sua prática pedagógica. Hollos ISSN 1807 - 1600, Ano 34, 2018, Vol. 3, p. 314-336. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/4206/pdf. Acesso em 10 de março de 2022.

    HALMOS, Paul Richard. Teoria Ingênua dos Conjuntos. São Paulo: Polígono S.A., 1970.

    HOBBES, Thomas. Leviatã ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil. Tradução: João Paulo Monteiro e Ana Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

    MACHADO, Antônio Claudio da Costa; FERRAZ, Anna Candida da Cunha; MELO, Adriana Zawada. Constituição Federal interpretada: artigo por artigo, parágrafo por parágrafo. Barueri: Manole Ltda., 2015.

    MORAES, Alexandre de. Direito Constitucional 35ª Edição. São Paulo: Atlas Ltda, 2019.

    PEREIRA, Caio Mario da Silva. Condomínio e Incorporações. Rio de Janeiro: Editora Forense Ltda., 2018.

    RIZZARDO, Arnaldo. Condomínio, Edifício e Incorporação Imobiliária. Rio de Laneiro: Editora Forense Ltda., 2019.

    ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do Contrato Social. Ridendo Castigat Mores, 2020.

    WOLKMER, Antônio Carlos. A História do Direito no Brasil. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

Revista Eletrônica Direito e Política

A Revista Eletrônica Direito e Política (ISSN 1980-7791), Qualis A2 Direito, tem como missão servir à comunidade acadêmico-científica como um instrumento de informação e divulgação de inúmeras contribuições científicas.

A RDP é um dos periódicos científicos da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e está vinculado ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Jurídica da UNIVALI (conceito CAPES 6), cursos de Mestrado e Doutorado.

Não há cobrança de taxas aos autores para cadastro, submissão, processamento e/ou publicação dos artigos.

As publicações dar-se-ão até o último dia dos meses de abril, agosto e dezembro de cada ano. A revista estimula os debates críticos e éticos sobre assuntos relacionados aos temas “Constitucionalismo e Produção do Direito”, “Direito, Jurisdição e Inteligência Artificial” e “Direito Ambiental, Transnacionalidade e Sustentabilidade”, que compõem a linha editorial da revista.

O título abreviado da revista é RDP, o qual deve ser usado em bibliografias, notas de rodapé, referências e legendas bibliográficas.

Acessar